Acusados de decapitarem jovem vão a julgamento

0
94

23 de Maio de 2019 YACONEWS

agazeta.net
“Espero que o júri seja severo”, disse a mãe de Deborah
Os acusados de assassinarem brutalmente a jovem Deborah Bessa, 19 anos, em janeiro do ano passado, passam por julgamento nesta quinta-feira (23). André e Luciele Souza do Nascimento são julgados por homicídio, organização criminosa, corrupção de menores e ocultação de cadáver.
De acordo com as investigações, eles teriam filmado o assassinato da jovem, que foi decapitada, e divulgaram as imagens nas redes sociais. O vídeo teve repercussão mundial, tamanha a barbárie com que o crime foi cometido.
O julgamento acontece às portas fechadas. A tia de Deborah, Irlani Freitas, contou do sofrimento em ter que reviver a história da morte da jovem. “O que eu mais lamento em toda essa situação, além da gente estar revivendo tudo isso , ter que ver novamente, ter que ouvir novamente tudo que aconteceu, depois de todo o trauma que a família passou, que ainda continua passando. O que me indigna é que os menores que são diretamente responsáveis com o acontecimento desse crime, tanto na execução como na gravação, vão pegar três anos de reclusão e vão sair aos 18 com a ficha limpa totalmente limpa”.
A família não nega que a jovem fizesse parte de uma facção, mas a tia de Deborah conta que antes de ser assassinada, a mulher teria feito um vídeo pedindo para da organização criminosa, “ela ia sair definitivamente dessa situação, porque o objetivo dela era criar o filho, quando eles fizeram esse crime, sequestraram ela, atraíram ela e fizeram tudo isso”.
Consternada a mãe da jovem, Irlank Freitas, também falou sobre o caso, “cadeia mesmo pegou a minha filha, porque minha filha está lá enterrada. Eu não tive nem o prazer de velar a minha filha, porque eles não deixaram eu velar a minha filha. Minha filha teve um enterro de caixão fechado onde os familiares não aguentavam nem o fedor. Porque tinha que ser um velório de 5 minutos, eu não pude nem sequer ver minha filha no caixão, não pude me despedir.”
A família espera que os acusados sejam sentenciados com a pena máxima. “Eu espero que o júri seja severo e dê a pena máxima, que fique na história essa condenação, assim como ficou na história o crime contra minha filha. Até hoje a minha família é apontada ‘oh, essa aqui é a família da moça que arrancaram a cabeça’. Até nos Estados Unidos isso foi comentado. Eu espero que seja comentada a lei, comentada a sentença, que seja a pena máxima e fique como exemplo pra que ninguém faça outra pessoa o que fizeram com ela”, concluiu Irlank.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui