20 julho 2024

JBS inicia testes com biodiesel B100 para caminhões sustentáveis

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Publicidade

Em um passo significativo em direção à mobilidade sustentável e à redução de emissões de carbono, a JBS, gigante global da indústria alimentícia, está lançando uma iniciativa pioneira para testar o biodiesel B100 em sua frota de caminhões. Cobrindo uma distância de quase 520 quilômetros de Lins (SP) até o Porto de Santos (SP), três caminhões DAF estão na vanguarda desse teste, utilizando biodiesel produzido a partir de subprodutos da produção de alimentos.

O biodiesel B100 representa uma solução promissora tanto nacional quanto globalmente para a transição energética e a redução de emissões de carbono. O objetivo deste projeto é validar a eficácia do biodiesel como substituto do diesel tradicional na rede logística rodoviária brasileira. Esses caminhões, cobrindo uma média de 1.200 km por dia, deverão demonstrar um consumo de combustível comparável entre o B100 e o diesel tradicional, de acordo com dados preliminares dos primeiros quilômetros.

Para o projeto B100, três caminhões DAF 530 com tração 6×4 e capacidade de 74 toneladas passarão por testes. Esses veículos originais de fábrica operarão com dois semirreboques contêineres e serão utilizados pela JBS Transportadora na rota logística entre Lins e o Porto de Santos, no litoral paulista.

Segundo Alexandre Pereira, Diretor Comercial da JBS Biodiesel, a introdução do B100 na frota de caminhões da JBS é um sinal significativo para o mercado brasileiro, demonstrando confiança na qualidade do biocombustível e reforçando o compromisso com a adoção de práticas que reduzem a pegada de carbono de suas operações.

“O biodiesel tem vários benefícios para o Brasil. Além de ser um combustível mais limpo, contribuindo para a redução da poluição nas grandes cidades, é um biocombustível que ajuda a diminuir a dependência da importação de diesel. Além disso, é um produto de alta qualidade que não causa nenhum dano aos motores.”

Pereira destaca que o biodiesel emite até 80% menos dióxido de carbono do que o diesel fóssil. Além disso, o biodiesel produzido no Brasil segue as especificações técnicas estabelecidas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), garantindo padrões rigorosos de qualidade.

Para identificar esses veículos, a JBS aplicará adesivos dizendo “100% movido a biodiesel” nos três caminhões. Além disso, a JBS Biodiesel aplicará também sinalizações no posto de abastecimento em sua planta em Lins.

Expansão do Alcance dos Biocombustíveis

Esses testes com B100 estão alinhados com o movimento mais amplo de expansão dos biocombustíveis na matriz de transportes do Brasil. Em abril deste ano, o governo federal aumentou a mistura de biodiesel no diesel de 10% para 12%, com planos de chegar a 15% até 2026. O governo também enviou recentemente ao Congresso Nacional o Projeto de Lei do Combustível do Futuro, com o principal objetivo de estimular o avanço dos biocombustíveis na matriz energética brasileira.

“O biodiesel já é o combustível do presente, não apenas do futuro. É uma opção pronta para termos uma economia de baixo carbono e um caminho já traçado para uma expansão sustentável em nosso país.”

Com plantas localizadas em Lins, Mafra (SC) e Campo Verde (MT), a JBS Biodiesel é uma das cinco maiores produtoras de biodiesel do Brasil e líder na produção do biocombustível a partir de sebo bovino. A capacidade instalada atual da empresa é de aproximadamente 720 milhões de litros por ano, representando pouco mais de 10% do volume de 6,3 bilhões de litros de biocombustível produzidos em 2022, segundo dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Veja Mais