24 julho 2024

Polícia Federal alega que Jair Bolsonaro falsificou informações sobre joias em depoimento

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Publicidade

Um relatório da Polícia Federal concluiu que Jair Bolsonaro mentiu ao afirmar que havia guardado um conjunto de joias na fazenda de Nelson Piquet, presenteadas por autoridades estrangeiras. Segundo as investigações, as joias de ouro rosé foram levadas para os Estados Unidos no avião presidencial durante uma viagem do então presidente em novembro de 2022 e posteriormente leiloadas no início do ano passado.

Marcelo Câmara, auxiliar de Bolsonaro, expressou preocupação em mensagens sobre uma auditoria do Tribunal de Contas da União que não encontraria o kit na fazenda indicada pelo ex-presidente.

O inquérito concluiu que todo o montante arrecadado com a venda das joias, cerca de R$ 7 milhões, foi entregue a Bolsonaro, com uma parte significativa, aproximadamente R$ 300 mil, entregue em espécie pelo general Mauro Lourena Cid, pai do ex-ajudante de ordens Mauro Cid.

A investigação destacou descuidos de Mauro Cid, incluindo a eliminação de mensagens no WhatsApp, embora tenha deixado rastros em outra conta do mesmo aplicativo. Em uma dessas mensagens, Cid pediu ao pai que fotografasse as joias, resultando na identificação do reflexo do general Lourena Cid na operação de venda.

O relatório agora está nas mãos da Procuradoria-Geral da República, que tem 14 dias para decidir sobre o arquivamento do caso ou apresentar denúncia ao Supremo Tribunal Federal. Se a denúncia for aceita, Bolsonaro e outras 11 pessoas poderão ser acusadas formalmente.

A defesa do ex-presidente alegou que os presentes foram catalogados pelo gabinete adjunto de documentação histórica sem intervenção do poder executivo, e que a investigação não considerou situações semelhantes em governos anteriores.

Veja Mais