Governo Federal anuncia construção de novo colégio militar no Acre em reunião com vice-líderes

0
128

13 Fev de 2019 do YacoNews

 O anúncio de construção de um novo colégio militar em Rio Branco, um investimento da ordem de R$ 30 milhões, com o início das obras previsto para ainda este ano, foi a grande novidade registrada durante encontro de mais de uma hora do presidente Jair Bolsonaro com a futura líder de seu Governo no Congresso Nacional, deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), e seus vice-líderes do país inteiro, entre eles os acreanos Sérgio Petecão (PSD) e Márcio Bittar (MDB), no Palácio da Alvorada, na tarde desta terla-feira (12), em Brasília.

 Com a escolha de Joice Hasselmann (PSL-SP), Bolsonaro preteriu o deputado João Campos (PRB-GO), cuja bancada tem 30 parlamentares. Em seu perfil no Twiter, Joice Hasselmann agradeceu a confiança de Bolsonaro, cuja indicação é do presidente, e a dos vice-líderes parte dela. Ao agradecer a Joice e a Bolsonaro pela indicação, o senador Sérgio Petecão falava na solenidade das dificuldades enfrentadas pelo governo do Acre, com dívidas e outras dificuldades herdadas com 20 anos de administrações petistas no Estado, quando o presidente o interrompeu para anunciar a construção do colégio militar em Rio Branco. “Vocês estão autorizados a anunciar. A decisão está tomada”, disse Bolsonaro, segundo o relato de Petecão.

 O cargo de líder do governo no Congresso foi criado por Tancredo Neves, antes de adoecer e não tomar posse, para agradar ao então senador Fernando Henrique Cardoso, em 1985. Dizem analistas políticos que, em comparação com os líderes na Câmara e no Senado, o cargo no Congresso tem pouca utilidade, pois reuniões conjuntas das duas Casas (Câmara e Senado) são poucas. O cargo serve, porém, para dar prestígio a quem se senta na cadeira.

 Honrados. É como estão se sentindo Petecão e Márcio Bittar com a indicação de Joice, segundo os próprios declararam após a reunião. “Isso me orgulha muito’, definiu Bittar, enquanto Petecão admitiu que a indicação pode lhe custar caro dentro de seu partido, o PSD. É que o presidente nacional da agremiação, Gilberto Kassab, é contra a adesão total do Partido ao Governo de Bolsonaro. “Me disseram que ele pode me retaliar, mas eu não estou preocupado. Ele apoiava a candidatura do Renan Calheiros à presidência do Senado e nós os derrotamos. Então, se ele me punir, mesmo como simples senador, estarei defendendo o presidente Bollsonaro onde for necessário, principalmente depois dessa notícia que ele nos deu”, disse Petecão, ao se referir ao Colégio Militar anunciado pelo presidente.


Contilnet

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui