Crime premeditado: Homem que matou ex e depois se suicidou, deixou carta; confira

0
31

13 Abr de 2020 do YacoNews


Após assassinar a própria esposa com 3 tiros nos peitos no estacionamento da Fundação Hospitalar (Fundhacre) e em seguida tirar a própria vida com um tiro na cabeça, uma carta feita pelo servidor administrativo  Jorge Alberto Franco Filho, de 48 anos, foi divulgada nas redes sociais, falando sobre um “casamento conturbado” com a esposa assassinada.

Veja: Servidora é morta pelo marido com três tiros no peito no estacionamento da Fundhacre

“Até certo tempo foi um casamento normal, e depois começou a ficar conturbado e sufocado pela família da Sara. Com apoio da família nas coisas de errado que ela fazia”, diz um trecho.

No texto, Jorge explica que a esposa “faltou com a verdade” quando disse que ia para uma reunião, mas, na verdade, estava indo para outro lugar, de acordo com ele. Em uma noite, relata que Sara recebeu uma ligação de um homem que ele não conhecia – o que teria sido o gatilho para a desconfiança aumentar.

Veja também: Após matar ex-mulher com três tiros no peito, homem comete suicídio com tiro na cabeça

“Adotou um comportamento extremamente obscuro, faltando com a verdade, dizendo que estava em reunião quando na verdade estava fora do trabalho, recebia ligações altas horas da noite, falava que era engano e após o homem retornar a ligação e eu pedir para colocar no viva-voz, ela perguntou com quem ela queria falar e a pessoa respondeu: “Com você, Sara”. Eu perguntei o que ele queria com uma pessoa casada aquela hora da noite e ele começou a me agredir com palavras e ela desligou”, continuou.

Jorge destacou ainda que a esposa teria inventado que estava indo para a igreja, um certo dia, quando na verdade foi à Delegacia registrar queixa contra ele, por maus tratos contra animais, crianças e também contra ela.

“Só ligou para um amigo para avisar que não voltaria mais para casa. Foi na delegacia no intuito de conseguir uma medida protetiva para ela e toda a sua família, alegando maus tratos de animais, criança, que eu não deixava ir à casa dos pais e também que não podia ir ao médico, sendo que trabalha dentro de um hospital, e quando uma vez falei para mãe dela os falsos crimes que ela e a irmã inventaram, ela falou que eu estava olhando o processo errado, e quando eu perguntei se ela queria a senha do processo para olhar, a Sara falou que quem havia colocado aquelas coisas no processo foram as pessoas da delegacia, e quando perguntei na delegacia as coisas que ela havia dito, eles responderam que ela mesma tinha preenchido com a irmã e assinou”.

“Durante o casamento, engravidou 3 vezes escondida, sem um entendimento do casal. O primeiro faleceu e o segundo que é toda a riqueza da família e o terceiro também faleceu. Deus sabe todas as coisas e sabia o que iríamos passar e o que ela iria aprontar. E mais uma vez, dia 19 de março de 2020 era para ela estar no trabalho. Quando eu liguei para ela e chamou e não atendeu ela só respondeu que estava em reunião, e minha irmã esteve lá para deixar uma mistura que meu pai havia mandado, e ela não estava lá outra vez no seu local de trabalho. Quando eu estava indo buscá-la no trabalho, recebi uma massagem dela pelo WhatsApp, que tinha que procurar um rumo para vida dela, que não dava mais, e já havia deixado de manhã nosso filho com a mãe, como ficava quando não ia para a aula”.

“Falando que tinha que retornar para o plantão, saiu de casa no dia 19 entre as 03:30 para as 04:00 da manhã e retornando para a casa as 06:00 da manhã….! Dia 04 de abril tínhamos que viajar para o retorno do meu tratamento no hospital do câncer de barretinho….! Triste fim de um relacionamento por parte de uma pessoa que não temia as leis de Deus, e tinha uma mãe e irmãs que eram coniventes e acobertavam as coisas de errado que ela fazia. E sempre foi manipulada pela mãe e irmãs, quando a mãe não procura saber o que está acontecendo, o que aconteceu, quem está errado, pois no meio havia um menor sem culpa nenhuma, e depois vão ficar se lamentando. “o que poderia ter feito para evitar o que aconteceu?”, mas aí já era tarde de mais, foi criada sem uma conduta ética e família..! Não poupou nem o sofrimento do seu próprio filho, tentando viver uma nova aventura por dinheiro..!”.

“O que uma mãe faz quando é conivente com a separação de uma filha destruindo uma família e deixando um filho de 4 anos… Papai, sua mãe e sua vó destruíram sua família [teria escrito ele para a criança]. Sei que vc vai ser criado por mãos inconsequentes; quem age contrariando a lógica, o bom senso; que expressa imprudência e irresponsabilidade .Leviano; quem se esquiva de qualquer tipo de responsabilidade, obrigação”.

“Não se dando por satisfeita, a Sara começou a fazer a cabeça da família contra mim, chegando ao ponto do meu cunhado Alan, presbítero da igreja presbiteriana do calafate, vim deixar meu filho dia 10/04, sexta feira, e querendo me intimidar na frente da minha casa, me agredindo com palavras mentirosas que ela havia falado para família…!”.

Ao final da carta, Jorge declarou que em virtude da pandemia do coronavírus, não desejava ser velado, mas sepultado, por conta, também, da saúde de sua mãe, e para evitar exposição.

“Jorge Alberto Franco Filho

☆14/05/1971 a + 13/04/2020

Sara Araújo de Lima Franco

☆13/06/1981 a + 13/04/2020


Em virtude da epidemia do coronavírus, não quero ser velado e sim logo sepultado, tendo em vista que minha mãe vive acometida por 3 AVC e não quero expô-la. Às minhas irmãs e amigos, minhas desculpas por tudo….”, finalizou


Por Everton Damasceno da Contilnet

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui