Justiça aceita denúncia contra policial penal que matou vendedor de picolé com tiro nas costas no AC

0
119

A Justiça do Acre aceitou denúncia contra o policial penal Alessandro Rosas Lopes pelo homicídio do vendedor de picolé Gilcimar da Silva Honorato, de 38 anos, no dia 12 de dezembro, no Conjunto Esperança, em Rio Branco. A denúncia acusa Lopes por homicídio por motivo torpe, crime hediondo.

O inquérito sobre o crime foi encaminhado à Justiça no final de dezembro e a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Acre (MP-AC) no dia 12 de janeiro. Em decisão assinada da pelo juiz Alesson Braz, dia 14 de janeiro, a justiça recebeu a denúncia e determinou a citação do denunciado para responder as acusações dentro de 10 dias. O processo corre na 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar.

Ainda conforme a decisão da justiça, os indícios da autoria do crime ficaram claros após do depoimento das testemunhas. O policial segue preso no Batalhão de Operações Especais (Bope).

O advogado do policial penal, Alfredo Severino Jares Daou diz que não comenta o caso, por achar que: “referidas manifestações prejudicam a defesa”.

Alcides Pessoa, advogado que acompanhou o policial penal na delegacia no dia da prisão, chegou a dizer que a defesa iria trabalhar para manter a tese da legítima defesa, mas Daou informou que Pessoa não acompanha mais o processo e que ele segue sozinho na defesa do policial.

Denúncia do MP-AC

O MP denunciou Lopes por homicídio causado por motivo torpe. “Consta nos autos que, nos momentos que antecederam a morte da vítima, este e o denunciado discutiram no interior do bar, fato que motivou a vítima a se armar com uma faca e, somente depois de ser esbofeteado pelo denunciado, veio a investir contra ele, atingindo o ombro, provocando a lesão de natureza leve e empreendendo fuga em seguida. Por sua vez, enquanto a vítima já se encontrava em fuga, o denunciado buscou uma arma de fogo em seu veículo e iniciou uma perseguição à vítima, vindo a alcançá-la, efetuando contra ela dois disparos na região posterior do corpo (costas). A vítima foi encaminhada para o Pronto Socorro, todavia, não resistiu aos ferimentos, vindo a óbito. O denunciado agiu com torpeza, eis que motivado por vingança relativa a uma agressão pretérita e no momento em que a vítima já se encontrava em fuga, não mais oferecendo-lhe qualquer perigo atual ou eminente”, destaca o promotor na denúncia.

O documento do MP destaca que as evidências para enquadrar o policial penal estão no inquérito policial, assim como no laudo cadavérico. O policial se manteve calado durante depoimento policial.

Dois dias após o crime, a Justiça converteu para preventiva a prisão em flagrante do policial penal. O servidor público está preso em cela separada no Complexo Penitenciário de Rio Branco.

Por Alcinete Gadelha, G1 AC

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui