Igreja Universal deve reaproximar-se do PT e pode apoiar Lula em 2022, afirma Mathias Alencastro

Há uma crise de grandes proporções na relação entre a Igreja Universal e o governo Bolsonaro e que pode levar a uma ruptura em breve. Edir Macedo pode apoiar Lula em 2022, como aconteceu em 2006

0
213

A crise entre a Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) e o governo Bolsonaro está a ponto de ruptura e pode levar a uma reaproximação entre a instituição e o PT. A avaliação é de Mathias Alencastro, pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento e doutor em ciência política pela Universidade de Oxford em artigo na Folha de S.Paulo. O colapso do projeto da Igreja em Angola, onde enfrenta hostilidades crescentes do governo local, sem o suporte esperado do governo Bolsonaro, está levando à ruptura entre o poderoso bispo Edir Macedo e Jair Bolsonaro.

A Iurd, que hostilizou o PT durante o governo FHC, acabou aderindo ao governo de Lula em 2003 e só rompeu com o petismo em 2016, no contexto do golpe contra Dilma. Durante anos, as relações entre os principais líderes petistas e a cúpula da Iurd foi amigável e Marcelo Crivella, sobrinho de Macedo, foi ministro da Pesca e Aquicultura no governo Dilma, entre 2012 e 2014.

Desde o rompimento em 2016, Macedo realinhou-se politicamente à direita, apoiando o golpe, o governo Temer e, finalmente, a candidatura Bolsonaro, que teve um de seus eixos na aliança com o fundamentalismo católico e evangélico e a aliança com os líderes empresariais-midiáticos evangélicos.

Angola está no epicentro da crise entre Macedo e Bolsonaro. “Componente essencial do projeto de poder da Igreja Universal desde os anos 1980, a expansão internacional tornara-se ainda mais importante a partir dos anos 2010. A presença na África, e especialmente em Angola e Moçambique, era o principal diferencial em relação às suas concorrentes nesse momento mais fragmentado e competitivo da comunidade evangélica no Brasil”, escreveu Alencastro.

Com apoio do governo do PT, o projeto da Iurd mudou de caráter no governo Bolsonaro, tornando-se, segundo Alencastro, “um processo de evangelização com fortes tons neocoloniais. Essa atitude caricatural rendeu o desprezo da maioria dos interlocutores africanos e um conflito aberto com as autoridades angolanas, que se recusaram a aceitar o governo brasileiro como mediador da sua relação institucional com a Igreja Universal, implantada no país há décadas.

A crise diplomática, que já dura mais de um ano, deixa claro que a boa inserção da Igreja Universal em Angola, além da tolerância aos seus métodos autoritários e centralizadores, dava-se no contexto de uma relação mais ampla e generosa com o governo brasileiro” -relação dos governos do PT com a África em geral e Angola em particular.

A ruptura da Iurd com o bolsonarismo, que parece inevitável, deve reaproximar uma das principais igrejas evangélicas do PT, segundo Alencastro: “[Macedo] sabe que Lula, o único responsável político em condições de reconstruir a ponte entre Brasil e África a tempo de salvar os interesses da Igreja Universal, também é o principal rival de Bolsonaro nas eleições de 2022”. Concluiu o cientista político: “Não seria, portanto, uma surpresa se a crise na África marcasse o começo de uma reaproximação da Igreja Universal com o Partido dos Trabalhadores, num movimento consistente com as mudanças no comportamento do eleitorado evangélico detectadas pelo Datafolha”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui