‘Quem recebe R$ 400 de Auxílio Brasil não passa fome’, diz Flávio Bolsonaro

Flávio Bolsonaro disse que quem recebe R$ 400 por mês do Auxílio Brasil não passa fome

0
104

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) contestou dados que mostram disparo no número de pessoas que passam fome no Brasil, e alegou que as famílias beneficiárias do Auxílio Brasil, com valor mensal de R$ 400 do governo federal, podem passar por dificuldades, mas isso não significa que elas não tenham o que comer.

Em entrevista à CNN Brasil, Flávio afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) “zerou os impostos federais” sobre alimentos como arroz e feijão, e está fazendo aquilo que “está ao alcance dele”. Ainda, o parlamentar reforçou que há brasileiros que passam dificuldades por, “talvez”, não participarem de programas sociais do governo.

“Quem recebe 400 reais por mês de Auxílio Brasil pode ter dificuldade, mas fome não passa. O presidente Bolsonaro zerou os impostos federais sobre arroz, feijão, zerou impostos de importação sobre os derivados do petróleo que vem para abastecer as nossas redes de postos”, declarou.

“Quer dizer, o que está ao alcance dele ele tá fazendo. Agora, mais uma vez, óbvio que tem pessoas que passam dificuldade, mas talvez por não conseguirem ter ainda acesso a um programa social do governo que, sem dúvida alguma, ampararia essas pessoas, né?”, completou.

Na entrevista, Flávio Bolsonaro reforçou que o valor de R$ 400 por mês é suficiente para “a pessoa não passar necessidade” e, ao ser questionado sobre a possibilidade de aumentar o valor do Auxílio Brasil, pontuou que é preciso “fazer uma conta de quanto o Estado aguenta”, além de ver até que ponto aumentar o benefício não vai “desestimular a pessoa a buscar emprego formal”.

“Se você coloca valor de R$ 2 mil, [por exemplo], a pessoa não vai querer trabalhar”, afirmou o senador, ressaltando que, pelos cálculos da equipe econômica do ministro Paulo Guedes, será possível reajustar o valor pago atualmente no Auxílio Brasil.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui