Restos mortais de menino são identificados 30 anos após desaparecimento

O representante da Segurança Pública disse que os restos mortais correspondiam a 99,9% do material genético de Leandro.

0
97
Foto: Cedoc/RPC

Trinta anos após o desaparecimento de Leandro Bossi, de Guaratuba, Costa Paraná, o governo do estado informou nesta sexta-feira dia 09, que os ossos analisados ​​correspondiam ao material genético do menino.

Segundo os especialistas responsáveis ​​pela análise, as amostras analisadas foram 99,9% compatíveis com o material coletado da mãe de Leandro.

O Secretário da Segurança Pública, Wagner Mesquita, informou em entrevista coletiva sobre a identificação dos restos mortais, que contou com a presença de representantes da Polícia Científica, da Polícia Federal e do Serviço de Investigação de Menores Desaparecidos (Sicride). O secretário não detalhou quais ossos foram usados ​​no processo, quando foram analisados ​​ou quando o material genético foi identificado.

Nenhuma informação foi divulgada sobre a causa da morte de Leandro ou possíveis autores.

Ao g1, o Governo do Estado do Paraná afirmou que “o segmento analisado está no IML”. Segundo Mesquita, a confirmação foi baseada em oito amostras analisadas e comparadas com base no material genético de três mães. “Os resultados de hoje terão algum impacto na investigação do homicídio. Agora teremos que analisar a investigação”, disse o secretário.

Ainda segundo Mesquita, o próximo passo possível após esse anúncio é o envio de laudo pericial pela Polícia Federal em Brasília. De acordo com o documento, o Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride) poderá fazer um relatório final sobre a investigação sobre o desaparecimento de crianças. A chefe e representante do Sicride, Patrícia Nobre, disse que a família de Leandro foi informada da confirmação do material genético antes do anúncio desta sexta-feira (10).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui