Sem obra efetiva de contenção, bairro no interior do Acre ainda corre risco de ‘romper’ e fazer parte da Bolívia

Com cheia e vazante do Rio Acre, ponto possível de rompimento está com 64 metros de largura, segundo pesquisa.

0
108

O problema de infraestrutura do bairro Leonardo Barbosa, em Brasileia, no interior do Acre, continua ameaçando parte do território brasileiro. Há muitos anos, o movimento das águas do Rio Acre na região afeta uma parte do bairro, que pode romper e passar a integrar a Bolívia, país vizinho no qual o Acre faz fronteira.

O total dessa área, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), é de 44 hectares. O bairro fica na periferia da cidade e tem cerca de 1,1 mil moradores, segundo a Assistência Social do município.

O fato de sempre o rio estar enchendo e vazando faz com que essa estrutura mude ao longo do tempo. O problema ficou ainda mais crítico em 2015, quando ocorreu uma das maiores enchentes, que acabou preocupando ainda mais os moradores.

“Esse comportamento dos rios no Acre é comum em razão da composição do solo por onde os mesmos correm. O terreno é arenoso-argiloso, sem leito rochoso. Assim, o leito dos nossos rios vão mudando na medida em que a força de suas águas “cavam” novos caminhos”, explica Evandro José Linhares Ferreira, engenheiro agrônomo, com mestrado e doutorado em Plant Science pela City University of New York.

Ainda, segundo o Inpa, a situação está estabilizada, mas não é possível ver alguma obra efetiva para contornar o problema. No ponto de possível rompimento, a largura, que havia passado de cerca de 80 metros em julho de 2005, diminuiu para apenas 59 metros em setembro de 2013, voltando a se expandir para cerca de 64 metros em agosto de 2017. A última medição foi de julho de 2021.

Foto: Inpa/MCTI

“Mas, pelo que se observa nas imagens, nenhuma providência foi tomada pelo governo brasileiro, como, por exemplo, construir barreiras de contenção em concreto para impedir o processo erosivo que daqui a alguns anos certamente provocará o rompimento do Rio Acre na parte mais estreita da tênue ligação terrestre do bairro Leonardo Barbosa à cidade de Brasiléia”, alerta o pesquisador.

O rompimento, segundo Ferreira, acabaria tornando esse território de 44 hectares boliviano.

“Vale ressaltar que pelo Tratado de Petrópolis, que definiu a incorporação do Acre ao Brasil em 1903, a fronteira do Brasil e Bolívia no local que apresenta a erosão é a calha do Rio Acre. Assim, se houver o rompimento do barranco e o Rio Acre “abandonar” o meandro que atualmente circunda o bairro Leonardo Barbosa, em teoria, todo o bairro passaria a fazer parte do território boliviano visto que a calha do rio mudaria e o meandro em torno do referido bairro viraria um lago.”

Atualmente, o bairro não tem presidente, mas o ex-ocupante desse cargo e morador da região Saulo Firmino de Lima diz que algumas medidas foram tomadas e até melhoraram, mas que essa questão acaba interferindo em algumas obras que podem beneficiar a região.

“Fizeram um trabalho que foi bom, que até hoje não tivemos problemas. O que nos afeta é a questão das ruas, porque acabam não fazendo, porque tem essa questão desse risco aí. E também muita gente acabou se mudando do bairro”, pontua.

g1 entrou em contato com a prefeitura para saber se alguma obra é estudada para aquela área, mas não obteve retorno até esta publicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui