Acidente aéreo que matou 23 pessoas no AC completa 20 anos: “Renasci”, diz sobrevivente

0
45

A médica pneumologista Célia Rocha, moradora de Rio Branco (AC), lembrou, nesta terça-feira (30), a tragédia da qual foi uma das vítimas com a queda do avião da Rico Linhas Aéreas, em 30 de agosto de 2002, quando a aeronave já estava em procedimento de pouso a uma distância de pelo menos 1.500 metros da pista do aeroporto Plácido de Castro, na Capital.

Era o início de uma noite de chuva e o avião teria sido atingido por um temporal que o jogou para o chão, matando, das 31 pessoas a bordo, 23 passageiros, incluindo os três tripulantes. Dos 31 a bordo, 23 foram mortos, incluindo os 3 tripulantes e 20 dos 28 passageiros. Era o voo 483, que saiu de Cruzeiro do Sul, pousou em Tarauacá e tinha Rio Branco como destino.

O avião envolvido no acidente era um Embraer EMB-120ER Brasília, de prefixo PT-WRQ, que havia feito seu primeiro voo em 1987. Era equipado com dois motores Pratt & Whitney PW118 Canada e tinha número de série 120 043. Havia passado antes em empresas como a Midway Connection (registro N-318MC) e a Rio Sul (registro PT-SLF). Com o acidente, sofreu danos irreparáveis e nunca mais pôde voar.

O EMB 120 Brasília estava em aproximação a Rio Branco, quando os controladores terrestres permitiram o pouso do voo. A aeronave, em seguida, entrou em uma tempestade e logo depois impactou com a cauda no solo. A fuselagem quebrou em três seções e um incêndio começou, danificando o avião.

A bordo do avião, no retorno de Cruzeiro do Sul para sua casa, na Capital, Célia Rocha relata os momentos de horror e agradece a Deus por ter sobrevivido. “Esse Pai Maior foi misericordioso comigo e me concedeu o privilégio de sobreviver ao acidente aéreo ocorrido em Rio Branco no dia 30 de agosto de 2002”, disse. “A luta que travei em todo esse processo foi árdua, quando senti a dor física e a dor emocional, mas com muita, fé, força e garra. Graças a Deus, consegui ultrapassar, pois Ele não nos dá aquilo que não podemos ultrapassar”, acrescentou a médica.

Célia Rocha disse ainda que hoje é só gratidão a Deus, aos familiares e amigos, além de colegas de profissão e “todos àqueles que me assistenciaram e me ajudaram a ultrapassar todo esse processo”.

A médica disse ainda que, se lhe foi concedido renascer para vida, “é porque ainda tenho que concluir a missão a que me propus quando do meu retorno para esse Mundo Terreno. Me curvo diante de Vós, meu Deus,e peço forças para que eu consiga ser digna do seu amor. Humildade, resiliência e resignação diante dos vossos desígnios”, finalizou.

O acidente também deixou seis passageiros em estado grave e dois com lesões leves. Com o impacto, o avião colidiu contra uma porteira e ainda atingiu seis bezerros e duas vacas.

Este foi o segundo maior acidente aéreo registrado no Acre, ficando atrás somente de um desastre aéreo registrado em 28 de setembro de 1971, em Sena Madureira – quando entre os tripulantes mortos estava o bispo do Acre, Dom Giocondo Maria Grotti.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui