Varíola dos macacos: Saúde do Acre investiga sintomas da doença em menina de 5 anos e idosa

0
30

A Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) recebeu mais duas notificações de casos suspeitos de Monkeypox, nome popular da varíola dos macacos. Uma menina, de 5 anos, e uma idosa, de 66, procuraram atendimento, nessa segunda-feira (22), na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Sobral, em Rio Branco, com sintomas semelhantes aos apresentados pelas pessoas infectadas.

O Acre tem apenas um caso confirmado da doença. A confirmação foi divulgada no dia 25 de julho. O paciente, de 27 anos, viajou para o exterior, e em seu retorno apresentou febre, cansaço físico e pápulas espalhadas pelos braços e abdômen, sendo notificado no dia 11 do mesmo mês pela Unimed. Ele já recebeu alta médica.

Contudo, o número de notificações sobe a cada semana. Já são 18 casos suspeitos da doença, sendo um confirmado, 9 descartados, 8 em investigação – um desses é de um morador do Mato Grosso. Dos casos suspeitos, seis são em crianças.

Nesta terça (23), a Sesacre informou que a mãe da menina disse que ela não viajou para fora do estado e nem teve contato com pessoas que viajaram. Ela fez a coleta do material e está em isolamento domiciliar.

A idosa mora em Porto Acre, no interior, e também afirmou não ter saído do estado e nem esteve com pessoas que viajaram recentemente. Ela segue em isolamento em casa após os exames.

Foi feita a coleta do material para análise e o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde da Regional de Saúde do Acre (Cievs) e de Rio Branco acompanham o caso.

A mãe da menina falou que ela não viajou e nem teve contato com pessoas que viajaram recentemente.

Treinamento
Com diversos casos suspeitos em crianças a Rede de Urgência e Emergência (RUE) da Secretaria de Saúde do Estado (Sesacre) fez um treinamento em profissionais do Hospital da Criança e da Maternidade Bárbara Heliodora, em Rio Branco.

A capacitação ocorreu no auditório do Instituto de Traumatologia e Ortopedia no Acre (Into) com a infectologista Cirley Lobato, na última quinta (18). A profissional destacou que o foco do treinamento é como atender e oferecer a melhor assistência às crianças e grávidas com sintomas da doença.

“É uma troca de informações sobre o manejo dos pacientes diagnosticados com Monkeypox e que necessitaram ser internados. Como é que vamos conduzir esses pacientes, crianças e grávidas? Não existe um tratamento específico para Monkeypox, é mais assintomático e cuidado para o paciente não desidratar, não desnutrir, não tenha uma infecção secundária e venha complicar o quadro dele”, explicou Cirley.

A infectologista alertou também sobre os cuidados que os profissionais precisam ter na hora de atender esses pacientes.

“Ter todos os cuidados de uso de EPI [Equipamento de Proteção Individual], ou seja, ainda usar máscara, usar luvas, quando for manusear o paciente precisa estar de capote, tem que está todo protegido porque a transmissão se dá por meio do contato com as feridas, lesões e objetos que os pacientes utilizam, como roupa de cama”, complementou.

Casos suspeitos em crianças
No dia 29 de julho, uma família venezuelana procurou a UPA da Sobral, em Rio Branco, com suspeita de varíola dos macacos. O pai, de 21 anos, a mãe, de 27, chegaram na unidade de saúde com o filho de 3 anos relatando que estavam com sintomas característicos da doença. Os exames feitos na família deram negativo para a doença.

Já no dia 4 de agosto, uma criança de 6 anos deu entrada na UPA da Sobral apresentando erupções cutâneas na planta do pé esquerdo e lesão vesicular dolorosa. A família relatou ter tido contato com um amigo que retornou de São Paulo em evento religioso no município de Rio Branco e ficou em isolamento domiciliar.

No dia 15 deste mês, outra criança de 6 anos deu entrada na UPA da Sobral com sintomas da doença. O menino mora em Rio Branco e viajou para a fronteira com a família há 18 dias.

A mãe falou que viajou para Brasileia, interior do Acre, e também para Cobija, na Bolívia, e que outras duas pessoas que estiveram na viagem também apresentam sintomas. As equipes de saúde orientaram que essas pessoas busquem atendimento médico.

Na última quarta-feira (17), a Saúde Estadual divulgou que um menino de 4 anos, de Xapuri, interior do Acre, foi levado ao médico com sintomas da doença. A família relatou que o menino teve contato recentemente com parentes recém-chegados da Argentina.

No dia 18, uma criança de 5 anos deu entrada na UPA da Sobral, na capital, com sintomas de varíola dos macacos. A menina foi levada pela mãe com febre e feridas nos membros inferiores no corpo.

Sintomas e transmissão
Os sintomas iniciais da varíola dos macacos costumam ser febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, gânglios (linfonodos) inchados, calafrios e exaustão.

Dentro de 1 a 3 dias (às vezes mais) após o aparecimento da febre, o paciente desenvolve uma erupção cutânea, geralmente começando no rosto e se espalhando para outras partes do corpo.

As lesões passam por cinco estágios antes de cair, segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos. A doença geralmente dura de 2 a 4 semanas.

O que é um diferencial indicativo: o desenvolvimento de lesões – lesões na cavidade oral e na pele. Elas começam a se manifestar primeiro na face e vão se disseminando pro tronco, tórax, palma da mão, sola dos pés”, completa Trindade, que é consultora do grupo criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações para acompanhar os casos de varíola dos macacos.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui