Justiça condena ex-goleiro Bruno a pagar mais de R$ 650 mil em indenização a filho

0
29

A Justiça de Mato Grosso do Sul determinou que o ex-goleiro Bruno pague mais de R$ 650 mil em indenização por danos morais e materiais ao filho, Bruninho, que teve com a modelo Eliza Samúdio.

A decisão foi assinada, nessa quinta-feira (27) cerca de 12 anos da morte da modelo. A indenização leva em conta os danos morais e materiais do filho pela morte da mãe.

Na decisão, a justiça lembrou que, além de ter ficado órfão de mãe e ter o pai condenado por participação na morta da genitora, Bruninho era bebê na data do crime e foi mantido em cárcere à época.

“A submissão ao sequestro e cárcere privado, enquanto criança de tenra idade, por vários dias, culminando com o assassinato de sua mãe é fato que cunhará negativamente sua vida e personalidade quiçá por quase toda sua existência”.

Do valor, R$ 150 mil devem ser pagos por danos materiais e R$ 500 mil em indenização por danos morais.

Bruno foi condenado a mais de 20 anos de prisão por participação na morte de Eliza. O ex-goleiro cumpre pena em regime semiaberto domiciliar desde 2019.

‘Não há preço que pague uma criança não ter mãe’

A família de Bruno se manifestou após a condenação dizendo que não há valor que repare o dano à criança. Desde a morte, segundo a família, o único dinheiro recebido pelo filho, foi R$ 90 mil em pensão alimentícia. O valor foi pago após o ex-goleiro ter pedidos de prisão emitidos pela Justiça de Mato Grosso do Sul por falta de pagamento.

“O Bruno acaba de ser condenado a indenizar o filho. Nós enquanto família achamos o valor muito pouco. Não há preço que pague uma criança não ter mãe”, disse Maria do Carmo, madrinha de Bruninho.

A família ainda pediu que a condenação sirva de exemplo. “Eu queria que todo cidadão se colocasse no lugar de um filho de uma mãe que não tem nenhum túmulo para colocar uma flor, uma vela. Quero que isso sirva de exemplo para os feminicídas desse país”, finalizou.

Ordens de prisão

No início de setembro, a Justiça em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio, mandou prender o ex-jogador do Flamengo, por atraso na pensão alimentícia do filho que teve com Eliza Samudio.

Crime chocou o Brasil

Eliza Samudio desapareceu em 2010, e seu corpo nunca foi achado. Ela tinha 25 anos e era mãe do filho recém-nascido do goleiro Bruno. Na época, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade. Apenas em 12 de julho de 2012, após sentença publicada pela Justiça do Rio, Bruno se tornou legalmente pai da criança.

Bruno foi condenado pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado de seu filho com a vítima. O goleiro também havia sido condenado por ocultação de cadáver, mas esta pena foi extinta, porque a Justiça entendeu que o crime prescreveu.

Após mais de dez anos da morte da filha, Sônia Moura, ainda tem esperanças de achar o corpo da filha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui