No Govcast, delegado de polícia orienta sobre como se proteger de crimes virtuais

0
33

No Govcast desta semana o delegado de Polícia Civil, Nilton Boscaro, falou sobre como a interatividade virtual, praticidade em tempo real e a comodidade do distanciamento físico podem, a cada dia, propiciar o surgimento de novos crimes cibernéticos contra os usuários. Ele fez alertas importantes sobre como se proteger e destacou se tratar de práticas criminosas sem fronteira, inclusive com registros recentes de uma média de 30 casos de golpes no Acre.

Delegado destaca a importância de usuários das redes sociais estarem atentos sobre cuidados que devem ser adotados para se proteger de golpes virtuais. Foto: José Caminha/Secom

Nesse sentido, Boscaro destaca a utilização do celular como instrumento facilitador para o surgimento de mais condutas criminosas, com grande incidência recente, por exemplo, do crime de sequestro do WhatsApp, em que o criminoso se apropria indevidamente do contato da vítima e passa a contatar pessoas da sua rede pedindo dinheiro emprestado.

“A orientação é não fazer depósitos sem antes fazer uma chamada para o parente ou amigo, e tentar pegar o máximo de dados possíveis com o golpista”, alertou.

O delegado também avisou sobre os cuidados que os usuários de redes sociais devem ter, por exemplo, com anúncios duplicados do Instagram, com o golpe do falso depósito ou pix, em que o estelionatário faz contato dizendo ser parente, envia um comprovante de depósito dizendo ter feito sem querer e a vítima transfere sem conferir que o depósito na verdade não foi feito.

“As chamadas de vídeo para o interlocutor falsário, ou para o familiar que ele tá alegando ser, é uma arma poderosa para se proteger”, orienta o delegado.

Nos casos de falsos sequestros, outro crime cibernético bastante comum, segundo Boscaro, o principal meio de se proteger é ligar de imediato para a suposta vítima sequestrada e anotar o máximo de dados sobre o interlocutor, dados bancários de onde deva ser o depósito, principalmente.

O delegado observa que esses crimes foram surgindo ao passo que a rede foi ofertando mais plataformas de interação e que a formação para se proteger contra os golpes foi ocorrendo conforme as demandas, as necessidades, e que pessoas idosas são as vítimas mais procuradas.

“Usuários de redes sociais devem evitar evidenciar parentes, pois os criminosos fazem o rastreamento das vítimas pelas redes”, observou.

Nilton Boscaro enfatiza que a polícia investigativa utiliza ferramentas virtuais rastreadoras, sobretudo disponibilizadas por empresas provedoras de internet para resolver os casos o mais depressa possível. Contudo, alerta que as vítimas devem denunciar os casos, registrando um Boletim de Ocorrência na delegacia mais próxima.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui