17 junho 2024

Suspeito de matar jovem decapitado após ser levado de casa no AC, era amigo de infância da vítima

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

O jovem Wallyson Campos de Almeida, de 18 anos, que confessou ter matado Samuel Conceição da Silva, também de 18 anos, era amigo de infância da vítima. Segundo o delegado que investiga o caso, da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), Ricardo Casas, os dois moravam no mesmo bairro e cresceram juntos.

“Eles se conheciam de longa data, cresceram no mesmo bairro, eram praticamente vizinhos. Continuamos com as investigações para concluir esse caso e chegar aos demais envolvidos”, disse o delegado.

A vítima foi achada decapitada na quarta-feira (3), no Ramal da Zezé, Segundo Distrito de Rio Branco e o suspeito foi preso ainda na quarta em um apartamento próximo ao local do crime.

Após passar por audiência de custódia, nessa quinta (4), Almeida teve a prisão preventiva decretada e deve ser levado ao presídio de Rio Branco para aguardar o desenrolar do processo.

Motivação

Ao ser preso em flagrante, na delegacia, o jovem confirmou a participação na morte de Silva e disse que a motivação foi porque a vítima tinha trocado de facção criminosa.

“Ao que tudo indica, esse crime foi em decorrência da guerra entre facções. Segundo ele [suspeito], mas, a gente ainda não confirmou essa versão, a vítima era da mesma facção que ele, mas saiu e foi para outra facção, foi morar em outro município e depois voltou para o bairro onde ainda é dominado pela facção rival. Por isso, ele foi julgado pelo chamado tribunal do crime e executado”, disse o delegado.

O Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) informou que a vítima foi levada de casa na noite de terça (2) por um conhecido, por volta das 21 horas.

O rapaz, que teria levado Silva, disse que queria conversar com ele. Depois disso, a vítima não voltou mais. Na manhã dessa quarta o corpo foi achado no mesmo ramal de onde ele foi levado.

Ainda segundo o delegado, conforme primeiros levantamentos, o crime foi praticado por ao menos três pessoas, mas as investigações continuam para confirmar essa situação e identificar outros envolvidos.

Por Iryá Rodrigues, G1 AC

Veja Mais