13 abril 2024

Com 235 mortes violentas em 2022, Acre registra alta de 21,1% nas ocorrências em um ano

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

As mortes violentas no Acre tiveram alta de 21,1% em 2022 na comparação com o ano anterior. É o que mostra o Observatório de Análise Criminal divulgado pelo Ministério Público do Estado.

Conforme os dados, entre janeiro e dezembro do ano passado, foram registradas 235 mortes violentas, que incluem os homicídios dolosos consumados, feminicídios, latrocínios, mortes decorrentes de intervenção policial em serviço e fora de serviço e lesão corporal com resultado morte. Em 2021, foram 194 mortes violentas.

Entre os casos registrados este ano foram 194 homicídios dolosos consumados, 11 feminicídios, seis latrocínios e 19 mortes decorrentes de intervenção policial. Além de cinco lesões corporal com resultado morte.

Em 2021, foram 161 homicídios dolosos, 13 feminicídios, 8 latrocínios, 11 mortes decorrentes de intervenção policial e uma lesão corporal que resultou em morte.

O estudo mostrou ainda que todas as regionais do interior apresentaram aumento no número de mortes violentas intencionais em 2022 na comparação com 2021, sendo a regional do Purus, Baixo Acre e Alto Acre as que tiveram alta mais expressiva, de 200%, 155% e 77,3%, respectivamente. As mortes violentas dentro do sistema prisional do Acre caíram de duas em 2021 para uma no ano passado.

A capital foi a cidade com maior quantidade de mortes violentas em 2022, com um total de 95 casos. O número representa uma redução em relação ao ano anterior quando 106 pessoas foram mortas. Em segundo lugar com mais mortes violentas vem a cidade de Brasileia, com 22 casos, sendo que em 2021 tinham sido 10 mortes.

O observatório traz ainda a quantidade de mortes violentas nos últimos seis anos. Em 2017 foram contabilizadas 531 mortes, a maior da série histórica, já em 2018 foram 417 casos. No ano de 2019 os dados mostram que foram 319 mortes, em 2020 foram 323 casos, em 2021 foram 194 e este ano foram as 235 mortes.

Taxa de mortes violentas
Com relação à taxa de mortes violentas por grupo de 100 mil habitantes, o Acre, que vinha se mantendo até 2015 abaixo da taxa nacional, apresentou nos anos de 2016 e 2017 um crescimento expressivo, saindo de uma média de 26,4 casos para cada 100 mil habitantes para uma taxa de 45, 64 e 48 nos anos de 2016, 2017 e 2018, respectivamente. Ou seja, taxas sem precedentes históricos. Em 2017, o Acre teve a segunda maior taxa do país.

Em três anos, entre 2015 e 2017, o aumento na taxa foi de 142%. A partir de 2018, a taxa começou a apresentar redução, chegando em 21,4 vítimas por 100 mil habitantes em 2021, a maior redução do país e fazendo com que o Acre ficasse entre os estados com taxa inferir à nacional. No entanto, o resultado da taxa de 2022 apresentou aumento de 19,6% em relação a 2021, saltando para 25,6 vítimas para cada 100 mil habitantes.

Os dados não trouxeram informações sobre a taxa na capital acreana. “Não foi possível calcular a taxa de mortes violentas de Rio Branco, devido à ausência de estimativas populacionais dos municípios referentes ao ano de 2022. Salienta‐se que o Censo demográfico do IBGE está em andamento”, pontua o relatório.

Instrumento usado
O levantamento mostra que do total de mortes violentas no estado ocorridas em 2022, 63% foram com uso de armas de fogo e 29% com armas brancas. Outros 8% foram com uso de outros instrumentos.

Quanto à autoria das mortes violentas intencionais ocorridas no Acre no ano passado, 41,7% estão com a autoria desconhecida, ou seja, não foram elucidadas. Outros 58,3% dos casos foram elucidados e estão com autoria conhecida.

O relatório aponta que das 235 vítimas de morte violenta, 24 eram do sexo feminino, ou seja, 10%.

Do total de casos, 83 ainda seguem com motivação a apurar. Segundo o relatório, 67 tiveram relação com conflito entre facções criminosas ou drogas, 36 por motivo fútil, durante bebedeira. Cinco foram por legítima defesa, quatro crimes passionais e três motivados por vingança.

Redução de roubos de 24,1% nos casos de roubos em Rio Branco — Foto: Reprodução

Redução nos roubos na capital
No caso dos roubos registrados em Rio Branco em 2022, os dados do observatório revelam que houve uma redução de 24,1% em relação ao ano anterior. Ao todo, no ano passado foram registrados 3.189 roubos na capital acreana, enquanto que em 2021 foram 4.204.

Conforme o estudo, na 1ª Regional foram registrados 1.789 casos de roubos em 2022, enquanto que no ano anterior foram 2.277. Já na 2ª Regional a redução foi de 25,8%, saindo de 1501 registros em 2021 para 1.113. Com relação à 3ª Regional os casos saíram de 426 registros em 2021 para 287 no ano passado.

Os bairros do Belo Jardim I e II e Cidade do Povo concentram as maiores incidências de roubos ocorridos em 2022, com um total de 224. A regional com menor número de casos de roubos é a 3ª.

Por G1/Ac

Veja Mais