13 abril 2024

Líder de facção criminosa que atuava no Acre é preso em João Pessoa-PB

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Em operação conjunta da Delegacia de Repressão ao Narcotráfico (Denarc) do Acre com a Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) da Paraíba (PB) que contou com o apoio do Grupo de Operações Especiais (GOE), resultou na prisão de um homem com a alcunha de “Zezinho”, considerado líder de uma facção criminosa que atuava fortemente no Acre e estava foragido da justiça. A prisão ocorreu na tarde desta quarta-feira, 7, em João Pessoa.

Na tarde desta quarta-feira, 7, agentes da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) da Paraíba (PB) com o apoio do Grupo de Operações Especiais (GOE) prendeu um homem com a alcunha de “Zezinho”, considerado líder de uma facção criminosa que atuava fortemente no Acre e estava foragido da justiça. A ação ocorreu em cooperação com a Delegacia de Repressão ao Narcotráfico (Denarc) do Acre que repassou todas as informações de inteligência e monitoramento do acusado aos policiais do estado nordestino.

O acusado que estava com mandado de prisão em aberto. Pesa os crimes de roubo qualificado oriundo da Comarca de Bujari (AC). Durante a ação policial, além da prisão, foi encontrado com o acusado uma pistola .380 e munições.

“Zezinho” quando estava no Acre pertencia a uma determinada facção criminosa e tinha rompido relações com essa organização, assim ficou jurado de morte pelos ex-companheiro de crime, mas partiu para outra facção rival e foi se juntar aos criminosos da Paraíba.

Apesar do mandado de prisão ser reverente a assalto praticado por “Zezinho”, ele vinha sendo investigado pelo crime de tráfico de drogas e foi um dos alvos da “Operação Audácia”, deflagrada pela Polícia Civil de Bujarí, acusado de ser o responsável por organizar o roubo de carga de eletrodomésticos, avaliados em aproximadamente 300 mil.

A Polícia Civil do Acre (PCAC) mantém o canal aberto ao público para denúncias, em que o cidadão pode enviar mensagens pelo WhatsApp com o número (68) 99921-1111 relatando sua denúncia ou até mesmo ligar para esse número de telefone. Vale salientar que a Polícia Civil garante total sigilo das informações e do denunciante.

 

Assessoria PCAC

Veja Mais