22 maio 2024

Canisso, baixista do Raimundos, morre aos 57 anos

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Canisso, baixista do Raimundos, morreu aos 57 anos nesta segunda-feira (13). A informação foi confirmada pelo empresário da banda, Denis Porto.

Com mais de 35 anos de carreira, o grupo de Brasília lançou nove álbuns de estúdio e emplacou hits nos anos 90 como “Eu Quero Ver o Oco”, “Mulher de Fases” e “A Mais Pedida”.

Segundo mensagens publicadas no perfil do músico no Facebook, José Henrique Campos Pereira, nome real do músico, sofreu uma queda decorrente de um desmaio e foi encaminhado para um hospital.

A banda famosa por unir ritmos populares brasileiros com o peso do punk e do hardcore também ficou conhecida pelas letras irreverentes. Foram duas fases principais do Raimundos: uma com o vocalista Rodolfo Abrantes (até 2001) e outra com o guitarrista Digão assumindo os vocais (a partir de 2001).

Canisso morava em Santana de Parnaíba (SP) e foi levado para o Hospital Municipal Santa Ana, que fica na cidade. A causa da morte ainda não foi revelada. O velório está programado para quarta-feira, no ginásio de vôlei de Barueri, e será aberto ao público das 10h às 16h.

Baixista do Raimundos, e um dos fundadores do grupo, José Henrique Campos Pereira, o Canisso, aprendeu a tocar instrumentos e a trabalhar como roadie em Brasília, na década de 1980.

Durante um festival de música organizado em sua escola, em Brasília, ele conheceu Digão. Depois, o guitarrista apresentou um amigo que já conhecia: era Rodolfo.

Fãs dos Ramones, eles começaram a tocar músicas da banda de punk na garagem de Digão. “Eu tocava guitarra, mas sobrou o baixo”, explicou Canisso.

Com essa formação, ainda no final dos anos de 1980, o Raimundos começou a tocar em bares e festas na região de Brasília.

Raimundos com Marquim, Digão, Fred, Canisso e Caio — Foto: Divulgação

Raimundos com Marquim, Digão, Fred, Canisso e Caio — Foto: Divulgação

Canisso seguiu com a banda depois que Rodolfo o convenceu a ficar no Raimundos, para chamar a atenção de Adriana Vilhena, que se tornaria a esposa dele e com quem teve quatro filhos. “A banda virou, eu nem estava pensando nisso. Eu fui querer ter banda para conquistar a gata.”

Em 2013, Canisso falou ao g1 sobre tocar no Lollapalooza e a nova fase da banda. “Estou começando a ver como se estivesse completando um ciclo. A gente está conseguindo finalmente se desvencilhar do passado e virando uma realidade. Hoje, a gente não deve nada ao que aconteceu.”

“Somos uma boa banda de festival, de palco pequeno, acústico, transitamos com facilidade por climas e estilos, estamos sempre demonstrando qualidade e verdade. Nunca perdemos a identidade com quem está no público. A banda é a continuação em cima do palco da molecada que está no público.”

Por g1

Veja Mais