24 maio 2024

Consignado do INSS: governo faz nova reunião sobre o teto de juros

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Hugo Barreto/ Metrópoles

Os ministros da Fazenda, Fernando Haddad, da Previdência, Carlos Lupi, e do Trabalho, Luiz Marinho, além da secretária-executiva da Casa Civil, Miriam Belchior, se reúnem na manhã desta terça-feira (28/3), no Palácio da Alvorada, para tratar sobre o teto de taxa de juros para o crédito consignado de beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

A reunião é mais uma tentativa do governo de encontrar um meio termo para as taxas máximas de juros dos empréstimos consignados para aposentados e pensionistas.

Em 13 de março, o Conselho Nacional da Previdência Social (CNPS) reduziu os juros de 2,14% para 1,7% ao mês, no caso do empréstimo consignado convencional. Nas operações com cartão de crédito consignado, o limite máximo caiu dos atuais 3,06% para 2,62%. A mudança, articulada por Lupi, foi aprovada com 12 votos favoráveis e três contrários.

A medida contrariou a Fazenda, a Casa Civil e a Secretaria das Relações Institucionais e também desagradou instituições financeiras.

Após a decisão do CNPS, Bradesco, Itaú, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Pagbank, Daycoval e Pan anunciaram a suspensão das linhas de crédito consignado para aposentados do INSS.

O martelo ainda não foi batido sobre o percentual exato do novo teto, que poderia ficar entre 1,8% e 2% ao mês.

Atualmente, cerca de 89% do consignado de aposentados do INSS são concedidos por bancos privados. Caixa e Banco do Brasil representam 11% dos empréstimos.

Veja Mais