25 maio 2024

Pecuarista vítima de quadrilha especializada em furto de gado teve prejuízo de mais de R$ 300 mil no Acre

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Vítima relata que foi ameaçada de morte — Foto: Reprodução

Uma das vítimas da quadrilha especializada em furto de gado, presa em fevereiro no Acre, teve um prejuízo de mais de R$ 300 mil. Além do prejuízo financeiro, o pecuarista contou à Rede Amazônica Acre que foi ameaçado de morte pelos criminosos.

“Vinha recebendo ameaças, recebi por WhatsApp, bilhetes, ameaças veladas na cidade intimidando a gente que estava tentando encontrar os animais. Temo pela minha vida, dos meus familiares que moram no município”, disse a vítima que pediu para não ser identificada.

Desde o início da Operação Boi de Ouro, 18 pessoas foram presas pela Polícia Civil. Segundo as investigações, a quadrilha agia em seis municípios do estado. Dentre os presos, a Justiça concedeu liberdade provisória para duas pessoas e converteu 11 prisões temporárias em preventivas.

Já outras duas pessoas foram presas de forma preventiva e uma de forma temporária.

O pecuarista disse que os ladrões chegaram até a propriedade dele com informações obtidas com um homem que trabalhou de forma temporária na fazenda.

“Essa pessoa passou todas as informações para os demais membros da quadrilha. Minha propriedade teve a porteira arrancada, cadeado quebrado, corrente cortada, prenderam os animais, estouraram a porteira do embarcador, a porteira que dá acesso à propriedade, encostaram o caminhão no embarcador e foram embora com o gado. Soltaram, inclusive, animais na estrada para dificultar a contagem e busca pelos demais animais”, lamentou.

Mais três alvos de operação que apura furto de gado no Acre são presos — Foto: Arquivo/PC-AC

Mais três alvos de operação que apura furto de gado no Acre são presos — Foto: Arquivo/PC-AC

Operação
A operação “Boi de Ouro” teve como alvos o advogado Ismael Tavares, além de pecuaristas e empresários suspeitos de integrarem uma quadrilha de furto de gado no interior do Acre. As investigações começaram há cerca de um ano e meio, e apontam que o grupo é responsável pelos crimes de formação de quadrilha, abigeato (furto de animais), lavagem de dinheiro, ameaça e enriquecimento ilícito.

O responsável pelas investigações, delegado Dione dos Anjos, informou que 15 pessoas foram presas na ação, entre elas o advogado, que seria uma das lideranças da quadrilha.

Conselheiro da OAB-AC Ismael Tavares foi preso por suspeita de furto de gado no Acre — Foto: Arquivo pessoal

Conselheiro da OAB-AC Ismael Tavares foi preso por suspeita de furto de gado no Acre — Foto: Arquivo pessoal

Por conta disso, a Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Acre (OAB-AC) informou que vai apurar a conduta de Ismael Tavares, que além de advogado, é membro do Conselho Seccional.

Em nota, a ordem informou que a conduta do conselheiro “será oportunamente apurada no âmbito administrativo e disciplinar, após a devida coleta de informações acerca dos fator.”

No último dia 1º, mais três pessoas foram presas por suspeita de envolvimento no esquema de furto de gado em cidades do Acre. A ação foi um desdobramento da Operação Boi de Ouro.

O delegado Dione Lucas, da cidade de Acrelândia, informou que foram cumpridos mais dois mandados de prisão preventiva e um de prisão temporária contra os alvos. Um dos presos é Daniel Pinheiro de Souza, que seria o responsável por retirar o gado furtado das propriedades e colocar no caminhão para ser transportado a outros municípios.

Não foi revelado o nome dos outros dois presos, mas um deles atuava como motorista de um dos chefes da organização que ficava responsável pelo transporte dos animais furtados.

Conforme o delegado, Daniel de Souza se apresentou na delegacia de Acrelândia no dia 28 de fevereiro acompanhado de advogado e, como havia mandado de prisão contra ele, já ficou detido.

Por Murilo Lima, JAC 2

Veja Mais