14 abril 2024

Rebanho bovino do Acre atinge 4,6 milhões de cabeças com crescimento de 14%

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

O rebanho bovino do Acre registrou um aumento pelo quinto ano consecutivo, alcançando mais de 4,6 milhões de cabeças em 2022, de acordo com os dados da Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta quinta-feira (21). Este crescimento de 14,5% representa um desempenho significativo em relação aos quatro anos anteriores, que mantiveram taxas de crescimento abaixo de 8,4%.

As regiões do Acre apresentaram os seguintes percentuais de participação no rebanho bovino estadual:

  • Baixo Acre: 54% do rebanho bovino (2.519.796 cabeças);
  • Alto Acre: 20% (925.892 cabeças);
  • Purus: 13% (601.397 cabeças);
  • Tarauacá/Envira: 10% (543.289 cabeças); e
  • Juruá: 3% (135.007 cabeças).

O estudo também destacou um aumento de 32% no rebanho bovino na região do Juruá em relação a 2021, embora esta seja a região com a menor participação no quantitativo total.

Em 2022, os cinco maiores rebanhos bovinos estavam nas cidades de Rio Branco, com mais de 619 mil cabeças; Sena Madureira, com mais de 486 mil; Senador Guiomard, com mais de 486 mil; Porto Acre (367.660); e Brasiléia (352.222). A soma dessas cinco cidades representou 48% do rebanho estadual, quase a metade do total.

Carne de Ave:

  • O segundo maior rebanho é de galináceos, com 2.572 milhões de cabeças, apresentando uma redução de 1,75% em relação a 2021, marcando o segundo ano consecutivo de queda no efetivo. Em 2021, o total era de 2,6 milhões, enquanto em 2020 o estado possuía quase 2,8 milhões de cabeças. Apesar da queda, a demanda por frango e ovos de galinha permanece aquecida.
  • A região do Baixo Acre lidera a participação no efetivo final, com 36%, totalizando mais de 924 mil cabeças. Brasiléia é o município com o maior efetivo, com mais de 377 mil galináceos, incluindo avicultura de corte.

Suínos:

  • O terceiro maior rebanho é de suínos, com 157.390 cabeças, registrando um crescimento de 4,9%. Em 2021, o número era de 150 mil. A regional Tarauacá/Envira se destaca com 32% do efetivo, equivalente a 50.290 cabeças. Feijó, pertencente a esta regional, contribuiu com mais de 30 mil cabeças.

Produtos de Origem Animal:

  • A pesquisa também destacou um aumento de 16,7% no valor da produção de produtos de origem animal, que incluem leite, ovos de galinha, ovos de codorna e mel de abelha. O valor total atingiu R$ 105,7 milhões em 2022, em comparação com R$ 90,6 milhões em 2021. O leite e os ovos de galinha responderam por cerca de 99,5% do valor total da produção. A produção de leite foi de cerca de 35,1 milhões de litros, com os municípios de Acrelândia, Senador Guiomard, Plácido de Castro e Epitaciolândia contribuindo com 54% da produção. Quanto aos ovos de galinha, houve um crescimento de 18,2%, totalizando 7,8 milhões de dúzias, com destaque para Senador Guiomard, responsável por mais de 1 milhão de dúzias.

Produção de Peixes:

  • Por outro lado, a produção de peixes criados em cativeiro (piscicultura) apresentou uma queda de 13% em 2022, totalizando mais de 2,5 milhões de quilos. Este declínio ocorre desde 2017 e é atribuído ao aumento dos custos de produção e à concorrência com a produção de outros estados. O tambaqui é a espécie predominante, representando 40% da produção, seguido pela pirapitinga (15%), curimatã e curimbatá (13%) e outras espécies. Este foi o sexto ano consecutivo de queda na produção de peixes.

Veja Mais