28 maio 2024

Indígena quer criar farmácia viva para preservar conhecimentos ancestrais de cura em aldeia no Acre

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Andressa é formada em enfermagem e quer unir conhecimentos em centro na aldeia — Foto: Arquivo pessoal

Para preservar os conhecimentos ancestrais de cura de sua vó Runi, uma pajé de 85 anos, a indígena Andressa Runi Shanenawa criou um projeto que quer arrecadar recursos para implantar uma farmácia viva com viveiro de plantas medicinais na aldeia Mora Nova, que fica às margens do Rio Envira, em Feijó, interior do estado.

Andressa nasceu e se criou na aldeia, saindo apenas para estudar enfermagem, curso em que é formada. A aldeia fica a seis horas de Rio Branco. Ao conhecer a medicina dos não indígenas, ela passou a avaliar que seus ancestrais poderiam contribuir no processo de cura, como já fazem com rituais dentro das aldeias.

Ela pensa em criar uma casa de saúde na floresta para oferecer atendimento e medicamentos feitos a partir de plantas medicinais, o local se chamaria Centro de Medicina Indígena Shanenawa Runi. Com isso, os 700 moradores das 12 aldeias, que têm dificuldade de acesso a atendimento médico, seriam beneficiados.

“Tenho há muito tempo esse sonho de poder ter uma farmácia dentro da comunidade, mas não uma farmácia só com medicamentos não indígenas, mas também com a medicina da floresta, que também cura. Até o contato com os portugueses, nosso povo usava as folhas para a cura”, relembra. 

Neta de uma pajé medicinal, ela foi alertada pela avó sobre o risco de o conhecimento se perder com o passar dos anos, caso não existisse uma perpetuação.

“Minha vó sempre dizia: ‘Andressa, me pesquisa porque quando eu morrer ninguém vai saber os conhecimentos’. E isso ficou sempre dentro de mim. Como sou formada em enfermagem, pensei que essas duas medicinas podem trabalhar juntas. Se for caso de ser curado com medicina da floresta, a gente vai curar. Se não for, a gente vai encaminhar para o médico. Então, seria um hospital dentro da aldeia em que a gente vai estar trabalhando o fortalecimento de medicinas naturais”, explica.

Alguns desses medicamentos são as tradicionais garrafadas e defumação, por exemplo. “Minha avó tem 85 anos e ela trabalha com a medicina indígena curando enfermos com a medicina da floresta dentro da aldeia e também pessoas não indígenas”, conta.

Na aldeia, são três pajés que trabalham com cura, pois há também o pajé espiritual. “Precisamos repassar a medicina espiritual, então vai ser um local também para uma formação dos jovens que querem aprender a medicina sagrada do nosso povo Shanenawa.”

Os 700 moradores das 12 aldeias, que têm dificuldade de acesso à atendimento médico, seriam beneficiados com centro — Foto: Arquivo pessoal

Os 700 moradores das 12 aldeias, que têm dificuldade de acesso à atendimento médico, seriam beneficiados com centro — Foto: Arquivo pessoal

Andressa conta ainda que esse sempre foi um sonho do povo dela, mas que não há recursos para a estrutura e por isso encabeçou o projeto para tentar conseguir levantar o dinheiro para a construção.

“A gente precisa de algumas coisas pra gente poder erguer essa farmácia viva na comunidade. Precisamos dos não indígenas, a gente sempre precisa um do outro, e iniciamos essa campanha para montarmos esse centro de medicina e quem sabe ampliar isso para outras comunidades e povos indígenas”, finaliza.

Filha do cacique Carlos Brandão e de Flaviana Melo, ela explica que essa etnia foi escravizada no atual local da aldeia, trabalhando em um seringal e tendo que abdicar de seus conhecimentos e costumes para poder permanecer no local.

Com o passar dos anos, adquiriram direitos sobre a terra, mas parte de sua cultura não foi passada para as novas gerações. O conhecimento ficou todo com as pajés, atuais lideranças femininas, que têm pouco tempo para passar isso para a frente, devido à idade avançada. Então essa campanha é também uma tentativa de resgate e preservação da cultura ancestral Shanenawa.

Após montar o centro, será realizado um trabalho de identificação, classificação e descrição de todas as espécies que estarão no viveiro e na farmácia, assim como a elaboração de uma apostila para uso dos moradores das 12 aldeias. de cientistas – biólogos, botânicos e taxônomos – contratados da Universidade Federal do Acre (Ufac).

Ideia é repassar conhecimentos de geração para geração — Foto: Arquivo pessoal

Ideia é repassar conhecimentos de geração para geração — Foto: Arquivo pessoal

Via G1/Ac

Veja Mais