20 julho 2024

Preso suspeito de matar jovem indica local onde jogou corpo no Rio Acre e bombeiros fazem novas buscas

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Publicidade

Após ser preso, Juscelino Romeu de Almeida, de 45 anos, suspeito de ser o responsável pelo desaparecimento da jovem Rayres Silva Ferreira, de 23 anos, em agosto deste ano, informou à Polícia Civil que matou, esquartejou e jogou o corpo da vítima no Rio Acre, em Brasileia, interior do estado.

Em interrogatório, ele indicou o local onde teria jogado o corpo da vítima. Segundo o delegado responsável pelo caso, Erick Maciel, o Corpo de Bombeiros foi acionado para fazer novas buscas no Rio Acre na quarta-feira (25) após o relato, mas, não foi encontrado nenhum vestígio da vítima.

suspeito foi preso no último dia 21 em uma vila no município de Lábrea, no interior do Amazonas. A polícia soube que ele havia sido recrutado para trabalhar em uma fazenda no estado vizinho. Lá, o suspeito soube das buscas, e seguiu para a Vila Curuquetê. Ele foi encontrado e preso em um bar.

“Nós estamos aguardando a perícia da coleta de sangue que foi feita na casa dele, tinha uns vestidos de sangue lá, foi enviado para o laboratório. Ele confessou, contou mesmo que cortou os membros superiores da vítima e jogou no rio. Ele aceitou indicar o local onde teria jogado o corpo da vítima e com o apoio do Corpo de Bombeiros fizemos mais uma tentativa de encontrar os restos mortais da jovem, entretanto, não conseguimos encontrar nenhum vestígio”, disse o delegado.

Juscelino Romeu de Almeida, de 45 anos, foi trazido ao Acre neste domingo (22) — Foto: Jhonys David/Arquivo pessoal

Juscelino Romeu de Almeida, de 45 anos, foi trazido ao Acre neste domingo (22) — Foto: Jhonys David/Arquivo pessoal

Feminicídio

 

Na delegacia de Brasileia, o suspeito relatou que a vítima estava planejando um roubo e que chamou ele para executar junto com ela o crime. No entanto, a jovem teria se arrependido e já estava armando com uma outra pessoa de matar Almeida.

Mas, para o delegado, a real motivação do crime tem a ver com o fim do relacionamento que o suspeito tinha com a vítima. Por isso, ele deve ser indiciado pelo crime de feminicídio.

Rayres Silva Ferreira, de 23 anos, está desaparecida desde agosto deste ano — Foto: Arquivo pessoal

Rayres Silva Ferreira, de 23 anos, está desaparecida desde agosto deste ano — Foto: Arquivo pessoal

“A justificativa dele é essa, que ela havia chamado ele pra fazer um roubo e depois se desistiu e estava armando com outra pessoa que não sabe indicar quem era pra matá-lo. Ele disse que visualizou isso no celular da vítima e que depois jogou o celular dela no rio. Nós não conseguimos encontrar o celular também. Só que, objetivamente, o que a gente tem é que ele morava com a vítima, era companheiro dela, se separaram e ele tava morando sozinho. Então tem a situação de feminicídio, que pra gente é a motivação na verdade”, afirmou Maciel.

Desaparecimento

Rayres desapareceu no dia 21 de agosto. De acordo com o delegado Erick Maciel, foi apurado que a jovem estava em uma casa com um homem que seria Juscelino Almeida. Foram colhidas imagens de câmeras de segurança que mostram o momento em que ela chega ao local, que fica ao lado do Rio Acre, e, por isso, foram feitas buscas no rio e na região às margens.

Durante as buscas, foram encontradas peças de roupa e uma bicicleta. Por meio das filmagens, a polícia constatou que os objetos encontrados pertencem a Rayres.

Segundo a polícia, a jovem esteve com um homem em uma casa ao lado do Rio Acre — Foto: Alexandre Lima/Arquivo pessoal

Segundo a polícia, a jovem esteve com um homem em uma casa ao lado do Rio Acre — Foto: Alexandre Lima/Arquivo pessoal

Durante as diligências, a Polícia Civil encontrou sangue em um dos quartos da casa onde ela esteve pela última vez, e também no trajeto entre a residência e o Rio Acre.

A casa é da família do ex-namorado da jovem, que chegou a morar no local quando estava com ele. Há cerca de um mês, o casal se separou e Rayres deixou o lugar. Recentemente, o ex-namorado dela também deixou a casa e foi trabalhar na zona rural.

Em depoimento, o pai do suspeito contou que viu quando Rayres chegou na casa e ficou conversando com o filho dele na parte de trás. Após alguns minutos, o idoso afirmou ter ouvido um barulho de briga vindo do quarto e foi checar o que era.

Via G1 AC

Veja Mais