17 maio 2024

Banheiras de hidromassagem podem conter bactérias; entenda os perigos

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Poderia acontecer com qualquer um.

Apesar de tentarem ao máximo peneirar todos os pedaços de carne moída e molho branco coalhado que borbulhavam até a superfície, foi tudo em vão. O estrago estava feito. Uma lasanha perdida pode ser o menor dos seus problemas com o ofurô nas férias.

Pode haver uma série de outras coisas desagradáveis ​​à espreita invisivelmente na água. Apesar dos potenciais benefícios para o bem-estar do calor e da hidroterapia, desfrutar de um mergulho relaxante no ofurô do hotel pode causar mais danos do que benefícios.

Pulmão do ofurô

Por exemplo, é possível contrair uma condição respiratória, conhecida coloquialmente como “pulmão do ofurô”. É desencadeada por micróbios chamados Mycobacterium, da mesma família daquelas que causam a infecção por tuberculose (TB).

Assim como na TB, as bactérias do “pulmão do ofurô” geram áreas de inflamação no tecido pulmonar. Isso resulta em sintomas como falta de ar, tosse e febre. As alterações pulmonares podem ser vistas em uma radiografia ou tomografia computadorizada do tórax e podem parecer bastante profundas.

O ofurô age como um ambiente perfeito para o crescimento dessas bactérias porque o calor do sistema cria uma temperatura ideal para sua proliferação. O borbulhar da água também atua como um aerossol, permitindo que as bactérias sejam liberadas no ar, onde podem ser inaladas.

Ao contrário da TB, que requer antibióticos de longo prazo e está se tornando cada vez mais difícil de tratar, o pulmão do ofurô pode ser considerado mais uma condição inflamatória.

O “pulmão do ofurô” foi classificado recentemente, em comparação com outras doenças pulmonares, e foi descrito pela primeira vez em 1997. É mais provável que esteja associado a usuários frequentes de ofurôs ou àqueles com imunidade comprometida.

Bactérias transmitidas pela água

Existem muitos outros organismos que podem prosperar nos equipamentos de banheiras de hidromassagem. Isso inclui a legionella, a bactéria que causa o distúrbio infeccioso potencialmente grave, a “doença dos legionários”.

Os locais de reprodução da legionella não se limitam apenas aos ofurôs. Ela é naturalmente encontrada em água doce e cresce especialmente bem em água aquecida a temperaturas mornas. Portanto, chuveiros, piscinas e unidades de ar condicionado também podem representar riscos.

Os sintomas da “doença dos legionários” são muito semelhantes aos de outras infecções respiratórias, incluindo falta de ar e tosse seca ou com catarro. Mas é comum ter outras queixas, como dores musculares e dores de cabeça também. O tratamento hospitalar pode ser necessário e antibióticos devem ser prescritos.

Não são apenas os pulmões que podem ser afetados por bactérias transmitidas pela água. Bactérias em ofurôs podem desencadear infecções na pele, como a foliculite do ofurô, que pode ocorrer em surtos.

Os ofurôs também podem desencadear infecções nos olhos, especialmente se estiver usando lentes de contato. Portanto, é aconselhável removê-las antes de entrar.

Colhendo os benefícios

Se você evitar as bactérias, os ofurôs podem ter alguns efeitos positivos na saúde e no bem-estar.

É possível, por exemplo, que a terapia de calor possa gerar a produção das chamadas proteínas “choque térmico”, que têm a capacidade de impactar o metabolismo. Estudos em humanos descobriram que essas proteínas poderiam influenciar a sensibilidade do corpo à insulina e a deposição de tecido adiposo, atuando assim como tratamentos naturais para diabetes e obesidade.

As potenciais propriedades restauradoras da simples imersão em água, tanto aquecida quanto resfriada, são bem documentadas. A água age como um meio para fornecer tanto calor quanto temperaturas frias, às vezes até extremas.

A imersão em água fria (IAC) tem recebido muita atenção, e banheiras frias especialmente projetadas estão aparecendo com mais frequência. Ao lado dos benefícios potenciais – incluindo cicatrização e recuperação rápidas, melhoria do humor e imunidade aprimorada – existem riscos graves. Estes podem incluir afogamento e arritmias cardíacas fatais, desencadeadas pelo frio extremo. No entanto, não há consenso médico sobre se os benefícios da IAC superam seus riscos.

Exercitar-se na água, no ramo da medicina alternativa conhecido como hidroterapia, tem sido proposto como uma técnica holística para tratar uma infinidade de condições. Estas vão desde pressão alta até câncer. Embora ainda não haja um consenso sobre a eficácia geral desse método, alguns pacientes relataram melhora nos níveis de energia e humor, bem como redução da ansiedade e da dor.

Portanto, da próxima vez que você estiver pensando em ir para a banheira de hidromassagem com uma taça de champanhe, considere onde você pode estar entrando.

Certifique-se, pelo menos, de que a banheira tenha sido adequadamente mantida limpa. Mas esteja ciente de que o cloro não mata todas as coisas desagradáveis, como a legionella.

Seja qual for a sua escolha, certifique-se de tirar suas lentes de contato – e nunca, jamais, leve uma lasanha para um ofurô.

*Dan Baumgardt é professor Sênior da Escola de Fisiologia, Farmacologia e Neurociência, da Universidade de Bristol, no Reino Unido. Este artigo foi originalmente publicado em inglês no site The Conversation.

Veja Mais