18 junho 2024

Levantamento revela mais de mil casos de malária no Acre nos primeiros três meses de 2024

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Mosquito Anopheles é o responsável por transmitir o protozoário causador da malária — Foto: GETTY IMAGES

Dados recentes divulgados pela Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) revelam uma queda significativa nos casos de malária no estado durante o período de janeiro a março deste ano. De acordo com o levantamento, foram confirmados 1.042 casos, representando uma redução de 34,1% em comparação ao mesmo período de 2023, quando foram registrados 1.583 casos positivos.

A divulgação desses números coincidiu com o Dia Mundial de Luta Contra a Malária, celebrado em 25 de abril, destacando a importância contínua da vigilância e prevenção contra essa doença.

Os casos confirmados foram distribuídos em várias cidades acreanas, com destaque para Cruzeiro do Sul, que registrou 725 casos, seguida por Mâncio Lima com 178 e Rodrigues Alves com 91 casos.

A malária, uma doença causada por um protozoário transmitido pela picada do mosquito Anopheles, pode ser diagnosticada por meio de amostras de sangue ou testes rápidos. Apesar de ser uma doença tratável, a falta de diagnóstico precoce e tratamento adequado pode levar a complicações graves.

As medidas preventivas incluem a instalação de telas em portas e janelas, evitar a construção de casas próximas a áreas de mata e usar mosquiteiros e repelentes.

Além da redução nos casos confirmados, houve uma diminuição de 15,2% nas notificações de malária entre 2022 e 2023, destacando-se a redução do número de casos em cidades como Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves.

O Estado do Acre, representando cerca de 4% dos casos na região amazônica, aderiu ao Plano Nacional de Eliminação da Malária, com o objetivo de erradicar a doença no Brasil até 2035.

Embora a imunidade total à malária ainda não tenha sido observada e não haja vacina aprovada, é fundamental continuar com medidas de prevenção e tratamento para proteger a população, especialmente nas regiões amazônicas onde a doença é mais prevalente.

Veja Mais