17 maio 2024

Lula propõe decreto para proibir mentira no Brasil e menciona necessidade de verdade

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

 

Durante um discurso em um frigorífico no Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira (12), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu a criação de um decreto que tornaria a mentira uma atividade proibida no Brasil, com possíveis consequências de prisão para os infratores.

Lula afirmou: “Eu, se pudesse, iria fazer um decreto: é proibido mentir. Quem mentir vai ser preso. Porque a gente não pode viver subordinado à mentira, subordinado à maldade, subordinado à intriga.”

Ele enfatizou a importância da tranquilidade e da verdade para o país, argumentando que a mentira não pode ser tolerada em uma nação do tamanho do Brasil, com mais de 203 milhões de habitantes.

Embora não tenha mencionado nomes específicos, Lula destacou que “mentira tem perna curta” e que é impossível governar o país com base em falsidades. Ele também lembrou sua própria experiência na Operação Lava Jato, na qual foi preso em 2018, afirmando que tudo começou a partir de uma mentira, mas que a verdade será eventualmente esclarecida pela história.

Lula foi condenado pelo ex-juiz Sérgio Moro no contexto das investigações relacionadas ao triplex no Guarujá. No entanto, ele ressaltou que não pode haver governança eficiente em meio a mentiras, sublinhando a importância da transparência e honestidade na gestão pública.

Surpreendentemente, no final de seu discurso, Lula parabenizou os irmãos Joesley e Wesley Batista, conhecidos empresários do grupo JBS, que foram alvo de investigações no âmbito da Lava Jato.

“Eu quero cumprimentar Joesley, Wesley, que são herdeiros responsáveis. Porque essa empresa se transformou na maior produtora de proteína do mundo. Isso para mim é motivo de orgulho”, concluiu.

Fonte: Último Segundo.

Veja Mais