24 julho 2024

Um dos maiores traficantes de Minas Gerais é morto ao sair da prisão

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Um dia depois de receber tornozeleira eletrônica de monitoramento e uma semana após progredir para o regime de prisão semiaberto, um dos maiores traficantes de Minas Gerais condenado a 72 anos foi assassinado a tiros em Patrocínio, no Alto Paranaíba, na noite desta sexta-feira (19/04).

Publicidade

Carlos Alexandre da Silva Juscelino, de 41 anos, conhecido como Nem Sem Terra, chegou a liderar o tráfico de entorpecentes na favela Morro das Pedras e se faccionou no Primeiro Comando da Capital (PCC), mas teria se convertido, se tornado religioso e se mudado de BH para deixar o mundo do crime. A causa do homicídio ainda é investigada e ninguém foi preso ainda.

A morte de Nem Sem Terra ocorreu no Bairro Santa Terezinha, na casa em que ele morava com a esposa, por volta das 22h. Segundo a Polícia Militar o corpo apresentava seis marcas de ferimentos de disparos de armas de fogo no tórax da vítima. A perícia da Polícia Civil informou ter encontrado quatro projéteis e cinco cápsulas (estojos) de munição calibre 9 milímetros na cena do crime.

A esposa de Nem Sem Terra disse que estava com o marido quando ouviu alguém bater ao portão a casa. Ao perguntar quem era, a pessoa disse que era “da polícia”. Viram que o indivíduo utilizava fardamento semelhante ao da Polícia Militar. Ao abrir a porta, ela disse que eram dois homens fardados, um deles com um papel na mão declarou que estavam ali para fiscalizar as medidas condicionantes impostas ao marido dela pela Justiça.

Os dois entraram e quando passavam pelo quintal, Nem Sem Terra saiu de dentro de casa. Assim que ele apareceu de frente para os dois, eles sacaram suas pistolas e abriram fogo. Ferido, ele gritou pedindo socorro, enquanto a dupla fugiu. O Samu foi acionado, mas ele já estava morto quando o socorro chegou.

Segundo a Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), gravações de câmeras de circuito externo de residências vizinhas foram recolhidas e podem ajudar a identificar os autores do homicídio. Um veículo suspeito, VolksWagen UP parado com os faróis acesos no cruzamento perto da residência onde o crime ocorreu será investigado também, uma vez que um dos seus ocupantes aparentava monitorar o trânsito. Após os disparos o motorista retorna calmamente para o veículo e dá marcha a ré pela contramão da via.

Preso desde janeiro 2005, estaria envolvido em mais de 20 homicídios, atos de tortura e tinha acusações e investigações de assassinato e envolvimento com o tráfico de drogas.

A captura do traficante se deu quando ele, ferido no ombro, procurou ajuda médica no Hospital Municipal de Betim, na área metropolitana. Na ocasião, fontes policiais relataram que o criminoso sofreu o ferimento durante um tiroteio entre grupos rivais disputando o domínio do tráfico de entorpecentes na região da Pedreira Prado Lopes.

Via EM

Veja Mais