Ligue-se a nós

DESTAQUE

Governo congela gastos com o-sus enquanto abre mão de bilhões em impostos a saúde privada

Publicado

no

26 Dez 2018 do YacoNews

 O governo federal abriu mão de mais de R$ 400 bilhões em impostos em favor da saúde privada nos últimos 12 anos. O valor contrasta com os gastos destinados ao SUS (Sistema Único de Saúde) – congelados por duas décadas – e rivaliza até com o orçamento total do Ministério da Saúde. A cada ano, a renúncia fiscal a esse grupo equivale a um terço do orçamento do ministério, hoje de R$ 130 bilhões. Esse dinheiro que não chega aos cofres públicos também é conhecido como “gasto tributário”.  

 Entre 2003 e 2015, a União destinou indiretamente R$ 331.498 bilhões para a saúde privada, de acordo com a única pesquisa a esse respeito, produzida neste ano pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) com dados da Receita Federal. Considerando o crescimento médio anual de 6% nas desonerações desse período, estima-se em R$ 109 bilhões o gasto tributário de 2016 a 2018, totalizando as desonerações em R$ 440,6 bilhões desde 2003.

 Naquele ano, as desonerações em saúde, no geral, foram de R$ 17,1 bilhões, quase metade do gasto tributário concedido em 2015 (R$ 32,3 bi) ou um terço dos R$ 100 bilhões investidos no SUS. Nesse intervalo de 12 anos, o orçamento da saúde aumentou 86%, frente a um crescimento de 89% das renúncias.

 Parte desse imposto não recolhido fica na conta de empresas farmacêuticas e hospitais filantrópicos. A maior fatia, no entanto, chega aos planos de saúde indiretamente por meio do abatimento no IR (Imposto de Renda) de pessoas físicas e jurídicas. Esses bilhões de reais têm um destino incerto porque o governo não regula a concessão do benefício, nem fiscaliza a utilização do dinheiro.

Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BRASIL

Marina diz que governo usará recursos do Fundo Amazônia para ajudar povo Yanomami

Publicado

no

Por

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, afirmou nesta segunda-feira (30) que o governo federal utilizará recursos do Fundo Amazônia para ajudar o povo Yanomami.

A população indígena sofre com uma grave crise de saúde, com inúmeros registros de desnutrição e malária.

“Os recursos do Fundo Amazônia serão deslocados para ações emergenciais. Essas ações estão sendo tratadas em vários níveis, que envolvem: a questão da saúde; o tratamento ao problema da grave situação de fome, que está assolando as comunidades; a parte de segurança, para que essas pessoas possam ficar em suas comunidades, e isso tem a ver com operações de desintrusão do garimpo criminoso dentro dessas comunidades”, declarou a ministra.

Marina Silva deu a declaração em uma entrevista coletiva em Brasília, após ter se reunido com a ministra da Cooperação da Alemanha, Svenja Schulze.

Fundo Amazônia
Criado em 2008, o Fundo Amazônia é destinado a financiar ações de redução de emissões provenientes da degradação florestal e do desmatamento. É considerada uma inciativa pioneira na área.

Além de apoiar comunidades tradicionais e ONGs que atuam na região amazônica, o fundo fornece recursos para estados e municípios para ações de combate ao desmatamento e a incêndios.

O fundo é abastecido com recursos de doações internacionais. Os governos de Alemanha e Noruega respondem, juntos, por mais de 99% dos depósitos.

Em dez anos (2009 a 2018), o fundo aplicou mais de R$ 1 bilhão em 103 projetos de órgãos públicos e organizações não-governamentais. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) administra os recursos e aprova os projetos.

Em 2019, primeiro ano do governo Jair Bolsonaro, as ações do fundo foram paralisadas. Na ocasião, o governo suspendeu comitês, entre eles o Comitê Orientador do Fundo Amazônia (COFA), que tem como atribuição estabelecer as diretrizes e critérios para aplicação dos recursos do fundo. Isso levou Noruega e Alemanha a suspenderem os repasses.

Em 1º de janeiro, dia em que tomou posse como novo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva assinou uma série de medidas, entre elas um decreto em que determinou a retomada do fundo.

Após a edição do decreto, entidades ambientais disseram ter boa expectativa com a retomada do fundo, afirmando ser possível garantir a preservação ambiental da região e a buscar o desenvolvimento sustentável.

Também após o decreto, a Noruega informou que o Brasil já poderia gastar cerca de R$ 3 bilhões doados pelo país ao Fundo Amazônia. E a Alemanha anunciou a destinação de 35 milhões de euros.

Por G1 e TV Globo

Continuar Lendo

DESTAQUE

Boate Kiss: Sobrevivente relata mulher de vermelho e viraliza nas redes sociais

Publicado

no

Por

Em seu perfil profissional no Instagram, a fisioterapeuta pediátrica Jéssica Duarte, fez uma série de vídeos em que conta sua experiência como sobrevivente do incêndio da Boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. A tragédia deixou 242 mortos e 636 feridos. As postagens foram repostadas em diversas redes sociais e acabaram viralizando.

Na época do desastre, Jéssica tinha 20 anos. Ela teve cerca de 40% do corpo queimado naquele dia 27 de janeiro e, por conta das feridas, ficou por 25 dias na UTI. Atualmente, com 30 anos e morando em Curitiba, Jéssica é mãe e ainda convive com as marcas da tragédia pelo corpo.

Um dia antes do aniversário de 10 anos do caso, ela abriu uma caixinha de perguntas para compartilhar suas vivências com seus seguidores. Jéssica foi para Santa Maria para cursar Administração na Federal de Santa Maria e iria tentar vestibular para Engenharia Química em 2013, quando tudo mudou. “Eu não queria ir para a Kiss, não curtia muito, só que o Bruno queria ir, ele curtia a banda. A gente tentou ir para outro bar, mas a fila estava imensa e acabamos indo para lá. A gente ficou uma hora e meia, duas horas no máximo”, lembrou.

“A única coisa que passou pela minha cabeça na hora foi ‘sério que vai acabar assim?’. Eu comecei a cantar alguns cantos da umbanda, que vieram na minha cabeça e eu só pensava que aquilo não fazia sentido”, resumiu.

Jéssica conta que foi retirada inconsciente da boate e que foi salva por outro sobrevivente. Foi um menino que estava lá no dia e, quando ele estava saindo em direção a porta e de repente sentiu alguém tocar o pé dele. Esse alguém era eu, só eu estava desacordada. Aí fez respiração boca a boca, massagem cardíaca, até que eu voltei. Não fui retirada pelos bombeiros, foi esse anjo que sentiu minha presença ali e teve a coragem de me tirar lá de dentro”, contou.

“Eu consegui sair de lá de dentro e eu não sabia onde estava meu ex-namorado. Depois eu descobri que ele conseguiu sair consciente, só que ele voltou inúmeras vezes para tentar me tirar lá de dentro. Foram nessas inúmeras tentativas que ele inalou muita fumaça e ficou num estado pulmonar muito grave. Por anos, eu fiquei na cabeça que, se eu tivesse conseguido sair com ele, ele não precisava ter saído e voltado tantas vezes e isso não teria acontecido”, revelou aos seguidores. Bruno, seu ex-namorado, acabou morrendo em decorrência do acidente.

Depois de ir para o hospital, os pais da jovem a “blindaram” das notícias, e, por muito tempo, ela não sabia o que tinha acontecido. “Achei que era só eu que estava no hospital. A gente tinha uma viagem marcada, eu e o Bruno, e eu achei que ele tinha ido viajar e me deixado no hospital”, lembrou. Jéssica só ficou sabendo da proporção da tragédia 15 dias depois que ela já tinha acordado, no mesmo dia em que recebeu a visita do irmão melhor.

Cicatrizes dos traumas

Jéssica se define como uma pessoa com muitos traumas que precisam ser tratados. E que a tragédia mudou completamente quem ela é. “Minha vida são dois períodos: um antes e um depois do incêndio. E quem me conhecia antes sabe que são duas pessoas completamente diferentes”, publicou nos stories.

Ela diz que não acredita que leva uma vida normal, mesmo tendo se passado 10 anos, ter mudado de cidade e constituído um novo momento na sua trajetória pessoal e profissional. “Meu grande trauma foi perder uma pessoa que eu amava muito, todo o resto ficou pequeno diante disso. Tudo que aconteceu comigo não faz que minha vida seja normal, mas estar ativa na terapia me ajuda muito e exercício físico também. E, para mim, o que me fez ter uma vida mais leve foi ter saído de Santa Maria e ter me isolado de tudo que aconteceu”, confessou. Jéssica contou que ainda tem contato com a família de Bruno e ainda sente pela morte do namorado.

Nas série de vídeos, a fisioterapeuta comentou o lançamento do documentário “Boate Kiss – a tragédia de Santa Maria”, da Globoplay, e da série “Todo dia a mesma noite”, da Netflix. “O público está bem dividido, tanto por sobreviventes, pais, familiares, amigos, tanto por pessoas aleatórias que não viveram isso. Eu, Jessica, acho que deveria existir. Quanto mais a gente falar, menos chance tem de acontecer de novo. Vai poder repassar para vocês o que a gente passou detalhadamente”, apontou, ressaltando que é a sua visão individual.

A mulher de vermelho

Um dos vídeos de Jéssica que mais viralizou foi o que ela comenta sobre “A mulher de vermelho”, que virou uma espécie de lenda macabra sobre a tragédia. A fisioterapeuta conta que, quando estava no hospital, ela via uma mulher vestida de vermelho quando fechava os olhos. “Eu tomava medicamentos muito fortes e eu não conseguia descansar. Eu lembro que não conseguia descansar porque toda vez que eu fechava os olhos, eu via uma mulher de vermelho que me chamava para algo muito ruim e, por isso, eu não gostava de dormir. Era uma energia muito ruim”, contou o que define ser um delírio.

Continuar Lendo

DESTAQUE

Desmantelo: Peido interrompe show musical em Tibau, no RN

Publicado

no

Por

Por Ismael Sousa

Uma cantora precisou interromper um show por causa de um peido em Tibau, destino preferido dos mossoroenses durante o veraneio. “Igual a esse, eu nunca senti”, disse Renata Falcão.

Ela interrompeu a apresentação no Brisa del Mar, encostou-se em um dos instrumentos e passou a comentar sobre a catinga que tomou conta do ambiente. “Tem dois banheiros ali, quem quiser, fique à vontade”. Nem um aromatizador em spray deu conta de eliminar o odor que pairava no ar.

Não foi identificado(a) o(a) autor(a) da flatulência.

Continuar Lendo

Trending