21 fevereiro 2024

Demissões em massa de vigilantes no Acre ameaçam setores de saúde e educação

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Publicidade

Após o impasse relacionado ao atraso de salários por parte da empresa terceirizada Red Pontes, o governo do Acre pode enfrentar outro problema em breve, desta vez envolvendo a categoria dos vigilantes. Segundo informações confirmadas por Nonato Santos, presidente do Sindicato dos Vigilantes do Estado do Acre (SESSPAC), aproximadamente 710 trabalhadores no estado correm o risco de serem demitidos.

Conforme Santos explicou, duas empresas estão planejando demissões em larga escala, afetando 135 funcionários que trabalham na FBX e 565 na Estação VIP. Ele enfatizou a situação difícil desses trabalhadores, muitos dos quais são chefes de família, e indicou que os avisos de demissão devem ser emitidos pelas empresas no próximo mês de outubro.

Quando questionado sobre os motivos por trás dessas demissões em massa, Nonato Santos revelou que se deve a uma falta de repasse financeiro por parte do governo às empresas. Ele explicou que essas empresas não estão recebendo os recursos de repactuação financeira relacionados aos setores de saúde e educação, apesar dos aumentos salariais anuais que são acordados. Isso ocorre porque o governo não está efetuando os pagamentos diretamente às empresas, impossibilitando a realização da convenção coletiva com os recursos disponíveis na empresa.

O sindicalista também alertou que, se essas demissões ocorrerem, haverá consequências graves nas escolas e instituições de saúde do estado. Ele deixou claro que a categoria está planejando uma manifestação na próxima semana para chamar a atenção das autoridades para essa situação preocupante.

“Isso provavelmente afetará os serviços de saúde e educação, podendo até resultar em ocupações de escolas. É possível que ocorra uma paralisação, com a participação de trabalhadores de folga, e até mesmo uma greve geral”, declarou Santos.

Com informações de Saimo Martins do ac24horas

Veja Mais