21 fevereiro 2024

Na guerra Israel x Hamas, não importa quem perca, o Irã vence

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Publicidade

O Irã não ordenou o ataque do Hamas a Israel, nem controla os militantes palestinos, mas o momento favorece os líderes iranianos e contribui para a batalha regional por influência da República Islâmica.

Haverá apenas um vencedor na guerra que eclodiu entre Israel e o grupo militante palestino Hamas. E não é nem Israel nem o Hamas.

Em uma operação chamada de “Tempestade de Al-Aqsa”, o Hamas, cujo nome formal é Movimento de Resistência Islâmica, disparou milhares de foguetes contra Israel em 7 de outubro de 2023.

Os combatentes do Hamas e da Jihad Islâmica Palestina se infiltraram em Israel por terra, mar e ar. Centenas de israelenses foram mortos, mais de dois mil ficaram feridos e muitos foram feitos reféns.

Em resposta, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu declarou guerra ao Hamas e lançou ataques aéreos em Gaza. No primeiro dia de represálias, cerca de 400 palestinos foram mortos, de acordo com o Ministério da Saúde da Palestina.

Nas próximas semanas, os militares israelenses certamente retaliarão e matarão centenas de outros militantes e civis palestinos. Como analista de política e segurança do Oriente Médio, acredito que milhares de pessoas de ambos os lados sofrerão.

Mas quando a fumaça baixar, apenas os interesses de um país terão sido atendidos: os do Irã. Alguns analistas já estão sugerindo que as impressões digitais de Teerã podem ser vistas no ataque surpresa a Israel. No mínimo, os líderes do Irã reagiram ao ataque com incentivo e apoio.

O campeão da Palestina

O fator decisivo que moldou a política externa do Irã foi a derrubada, em 1979, do Xá do Irã, amigo dos EUA e repressor, e a transferência do poder do Estado para as mãos de um regime revolucionário muçulmano xiita. Esse regime foi definido pelo imperialismo antiamericano e pelo sionismo anti-Israel.

A revolução, afirmaram seus líderes, não era apenas contra a monarquia iraniana corrupta, Seu objetivo era confrontar a opressão e a injustiça em todos os lugares e, especialmente, os governos apoiados pelos Estados Unidos – o principal deles, Israel.

Para os líderes do Irã, Israel e os Estados Unidos representavam imoralidade, injustiça e a maior ameaça à sociedade muçulmana e à segurança iraniana. A hostilidade duradoura sentida em relação a Israel deve-se, em grande parte, aos seus laços estreitos com o xá e ao papel de Israel na opressão contínua do povo iraniano.

Juntamente com a Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA), o serviço de inteligência de Israel, o Mossad, ajudou a organizar a polícia secreta e o serviço de inteligência do xá, o SAVAK. Essa organização se baseou em táticas cada vez mais duras para reprimir os dissidentes durante as duas últimas décadas do xá no poder, incluindo prisão em massa, tortura, desaparecimentos, exílio forçado e assassinato de milhares de iranianos.

O apoio à libertação da Palestina foi um tema central da mensagem revolucionária do Irã. A invasão israelense do Líbano em 1982 – em retaliação aos ataques palestinos baseados no Líbano contra Israel – proporcionou ao Irã uma oportunidade de fazer jus à sua retórica antissionista, desafiando os soldados israelenses no Líbano e controlando a influência dos EUA na região.

Subsídio ao conflito

Para isso, o Irã enviou sua Guarda Revolucionária Islâmica – um ramo das forças armadas do Irã, geralmente conhecido como Guarda Revolucionária – ao Líbano para organizar e apoiar militantes libaneses e palestinos.

No Vale de Bekaa, no Líbano, os membros da Guarda Revolucionária instruíram os combatentes da resistência xiita sobre religião, ideologia revolucionária e táticas de guerrilha, além de fornecer armas, fundos, treinamento e incentivo.

A liderança do Irã transformou esses primeiros estagiários, de um grupo de combatentes desorganizados, na força política e militar mais poderosa do Líbano atualmente, e no maior sucesso da política externa do Irã, o Hezbollah.

Desde o início da década de 1980, o Irã tem mantido o apoio a grupos e operações militantes anti-Israel. A República Islâmica prometeu publicamente milhões de dólares de apoio anual a grupos e fornece treinamento militar avançado para milhares de combatentes palestinos nas bases da Guarda Revolucionária e do Hezbollah no Irã e no Líbano.

O Irã administra uma sofisticada rede de contrabando para canalizar armas para Gaza, que há muito tempo está isolada do mundo exterior por um bloqueio israelense.

Por meio da Guarda Revolucionária e do Hezbollah, o Irã tem incentivado e possibilitado a violência da Jihad Islâmica Palestina e do Hamas, e esses combatentes palestinos agora representam um elemento crucial no que os analistas de relações exteriores chamam de “Eixo de Resistência” do Irã contra Israel e os Estados Unidos, o que constitui o principal objetivo do Irã.

Mas o Irã não pode se arriscar a confrontar qualquer um dos Estados diretamente. As armas, os fundos e o treinamento iranianos possibilitam o aumento da violência dos militantes palestinos contra Israel quando as frustrações aumentam, inclusive durante as revoltas palestinas conhecidas como a primeira e a segunda intifadas.

Uma incursão de colonos israelenses na mesquita Al-Aqsa foi citada pelo Hamas como justificativa para o ataque de 7 de outubro

Os conflitos entre israelenses e palestinos e o número de mortes têm aumentado constantemente desde 2020. Os palestinos estão indignados com o aumento dos despejos e da destruição de propriedades, e com a forma como Israel permite que nacionalistas e colonos israelenses violem um acordo de longa data que impede a oração judaica na Mesquita de Al-Aqsa – um local sagrado tanto para muçulmanos quanto para judeus.

De fato, uma recente incursão de colonos em Al-Aqsa foi especificamente citada pelo Hamas como justificativa para o ataque de 7 de outubro.

Atacando a normalização

Isso não quer dizer que o Irã ordenou o ataque do Hamas a Israel, nem que o Irã controla os militantes palestinos – eles não são fantoches iranianos. No entanto, os líderes iranianos receberam bem os ataques, cujo momento coincidentemente os favorece e contribui para a batalha regional por influência da República Islâmica.

“O que aconteceu hoje está de acordo com a continuação das vitórias da resistência antissionista em diferentes campos, incluindo a Síria, o Líbano e as terras ocupadas”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Nasser Kanani.

Na semana anterior ao ataque do Hamas, o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman negou as informações de que a Arábia Saudita havia interrompido seus esforços recentes para normalizar as relações com Israel, o que inclui uma declaração formal do direito de Israel de existir e um maior envolvimento diplomático. “Todos os dias estamos nos aproximando”, disse ele, uma avaliação elogiada e repetida por Netanyahu.

A normalização israelense-saudita representaria o ápice das conquistas até agora nos esforços diplomáticos dos EUA, incluindo os Acordos de Abraão, assinados por Israel, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Marrocos em 2020. Os acordos visavam normalizar e construir relações pacíficas entre Israel e os países árabes no Oriente Médio e na África.

O líder supremo iraniano, Ali Khamenei, criticou os estados árabes por assinarem os Acordos de Abraão, acusando-os de “traição contra a comunidade islâmica global”.

O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, elogiou a violência de sábado contra Israel e ecoou os sentimentos de Khamenei, alertando que os ataques enviaram uma mensagem, “especialmente para aqueles que buscam a normalização com esse inimigo”.

A resposta pesada esperada de Israel provavelmente complicará a normalização da Arábia Saudita com Israel no curto prazo, promovendo os objetivos do Irã.

Netanyahu disse que a operação de retaliação de Israel busca três objetivos: eliminar a ameaça de infiltrados e restaurar a paz nas comunidades israelenses atacadas, simultaneamente “cobrar um preço imenso do inimigo” em Gaza e reforçar “outras frentes para que ninguém se junte a essa guerra por engano”. ]

Esse último objetivo é um aviso sutil, mas claro, para que o Hezbollah e o Irã fiquem fora da luta. As tropas israelenses já se mobilizaram para proteger suas fronteiras, e ataques aéreos atingiram Gaza. É muito provável que os agressores palestinos sejam mortos ou presos em questão de dias.

As tropas e as forças aéreas israelenses terão como alvo os locais conhecidos ou suspeitos de lançamento, fabricação, armazenamento e transporte de foguetes, bem como as residências dos membros do Hamas e da Jihad Islâmica Palestina. Mas, nesse processo, centenas de civis provavelmente também perderão suas vidas. Acredito que o Irã espera e acolhe tudo isso.

Como o Irã ganha

Há pelo menos três resultados possíveis para a guerra, e todos eles jogam a favor do Irã. Primeiro, a resposta dura de Israel pode afastar a Arábia Saudita e outros países árabes dos esforços de normalização israelense apoiados pelos EUA.

Em segundo lugar, se Israel considerar necessário avançar mais em Gaza para erradicar a ameaça, isso poderá provocar outra revolta palestina em Jerusalém Oriental ou na Cisjordânia, levando a uma resposta israelense mais ampla e a uma maior instabilidade.

Por fim, Israel poderia atingir seus dois primeiros objetivos com a quantidade mínima de força necessária, renunciando às táticas usuais de mão pesada e reduzindo as chances de escalada. Mas isso é improvável. E mesmo que isso ocorresse, as causas subjacentes que levaram a esse último surto de violência e o papel facilitador que o Irã desempenha nesse processo não foram abordados.

E quando ocorrer a próxima rodada de violência israelense-palestina – e ela ocorrerá – acredito que os líderes do Irã se congratularão novamente por um trabalho bem feito.

FONTE: https://neofeed.com.br/insiders/na-guerra-israel-x-hamas-nao-importa-quem-perca-o-ira-vence/

Veja Mais